Location of Repository

O discurso da competência para o trabalho e a educação em tempos neoliberais: a história reeditada como farsa?

By Marcos Freisleben Zorzal

Abstract

Pelo presente estudo investigamos o contexto de produção e difusão do discurso da competência, em termos de suas repercussões sobre a educação e o mundo do trabalho no país. Para isso, situamos nossa atenção, sobretudo, nos anos de 1990, especialmente nos mandatos de Fernando Henrique Cardoso, período este apontado por diversos estudiosos como de implementação efetiva de políticas econômicas, sociais e educacionais neoliberais no Brasil e no mundo. Nossa tese, ao considerarmos as proposições ultraliberais de transformações inexoráveis para as esferas da educação e do trabalho ao final do séc. XX, é de que estas reeditam, pelo elemento discursivo da competência, argumentos e propósitos equivalentes aos discursos dominantes nas circunstâncias de transformação e crise capitalistas da transição entre os séculos XIX e XX, auge de consolidação da sociedade industrial desenvolvida, em que os avanços técnico-científicos e gerenciais da produção (o chamado modelo fordistataylorista) e a consolidação de um mercado de trabalho assalariado competitivo, demandavam uma categoria de trabalhadores diferenciada da existente até então (eminentemente originária da manufatura simples), adequada aos novos ícones organizativos, educacionais e produtivos daquele período. Entretanto, embora ambos os discursos sejam muito similares em termos das mutações nos processos de trabalho e ao papel atribuído à escolarização para fins de mercadológicos, defendemos neste trabalho que a argumentação ultraliberal de que o problema do desemprego, precarização e exclusão sociais sejam atribuíveis à desqualificação ou incompetência dos próprios trabalhadores mediante supostas inovações produtivas contemporâneas, na verdade dissimulam e buscam legitimar, ideologicamente, o que o próprio capitalismo, em sua crise estrutural contemporânea, inevitavelmente gera. Para subsidiarmos nossa proposição, procedemos a uma análise comparativa entre os dois períodos em questão, tomando como base as reflexões de Antônio Gramsci e de Karl Polanyi sobre as transformações econômicas, culturais e educacionais no contexto de supremacia do ideal liberal dos mercados auto-reguláveis sobre os interesses sociais secularizados mais amplos ou seja, quando o mercado, de componente fatorial da sociedade, transforma a própria sociedade em um componente fatorial seu. Procedemos, a seguir, neste contexto em que se instaura a escola profissionalizante e do advento do fordismo no primeiro terço do século XX, a reflexões que confrontamos com análises de autores contemporâneos sobre o fenômeno da ultraliberalização político-econômica e educacional brasileira. A questão que nos guia e que pretendemos responder, portanto, pode ser assim formulada: o discurso da competência como imperativo para o trabalho e a educação atuais, num contexto de transformações tecnológicas e de crise estrutural da relação capital-trabalho, poderia estar reeditando elementos discursivos do contexto de transformações observadas em fins do século XIX, de modo a legitimar suas conseqüências negativas atuais na forma de uma dissimulação da realidade ou, em termos marxianos, de uma farsa histórica? A análise dos dois períodos do capitalismo nos indicaram que o postulado hegeliano-marxiano da repetição histórica torna-se plausível mediante o renascimento ultraliberal observado a partir de fins do século XX.By the present study we investigated the production and spread of the discourse about competence, as for its repercussions on the education as well on the work in Brazil. In order that, we situated our attention upon the years of the Fernando Henrique Cardoso government period from the 1990s, pointed by many researchers like the effective implementation of neoliberal economics, social and educational politics in Brazil and in the world. Our thesis, considering the ultraliberals proposals of inexorable transformations to education and work at the final of XXth century, is that these proposals reedit, by the competence discourse, arguments and proposals equivalents to dominants discourses into circumstances of transformation and capitalist crisis, between the XIXth to XXth transition at the industrial society consolidation peak. That moment represented technical, scientific and administrative developments (the model called fordism-taylorism) and the competitive worker market establishment, circumstances that requesting a new workers category, adequate to the newfangled organization, education and productive icons. However, despite of similarity of both discourses in terms of mutations in the work processes and to the role attributed to schooling with market goals, we defend in this research that the ultraliberal argue that the problem of unemployment, social precarization and social exclusion are attribute to worker disqualification or incompetence through presumed contemporary production innovations, actually they dissimulate and legitimate, ideologically, what the own capitalism, in its contemporary structural crisis, unavoidably create. To subside our proposal, we proceed a comparative analysis between the two periods in question, taking as base the reflections of Karl Marx, Antonio Gramsci and Karl Polanyi toward the economic, cultural and educational transformations in the context of supremacy of liberal ideal of self-regulated market about the wide secularized social interests, that is, when the market, factorial component of society, transform the own society in its factorial component. After this, we will proceed, in the context in which it is establish the trade school and the arrival of fordism on the first third part of XXth century, reflections in which we confront analysis of contemporary authors about the Brazilian politic-economic and educational ultra liberation phenomenon. Considering this, the question that guide us and which we intent answer could be formulated in this manner: the competence discourse as imperative to the actual work and education, in a context of technological transformation and structural crisis of capital-work relation, could be reediting discursive elements of the transformations observed at the end of XIXth century, in way to legitimate the actual negative consequences in form of a dissimulation of reality or, in Marxian terms, as a historical farce? The analysis of the two periods of capitalism indicate us that the Hegelian-Marxian postulate of historical repetition become plausible by means of the ultraliberal renascence observed since the end of the XXth century

Topics: Educação, Pedagogia das competências, Neoliberalismo, Trabalho e educação, Psicologia histórico-cultural, EDUCACAO, EDUCACAO
Publisher: Universidade Federal de São Carlos
Year: 2006
OAI identifier: oai:agregador.ibict.br.BDTD_UFSCAR:oai:ufscar.br:1131
Download PDF:
Sorry, we are unable to provide the full text but you may find it at the following location(s):
  • http://www.rcaap.pt/detail.jsp... (external link)
  • Suggested articles


    To submit an update or takedown request for this paper, please submit an Update/Correction/Removal Request.