Skip to main content
Article thumbnail
Location of Repository

Desvelando relações e interações múltiplas do ser enfermeiro na complexidade do cuidado ao ser em morte encefálica na unidade de terapia intensiva

By Aline Lima Pestana

Abstract

Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Saúde, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, Florianópolis, 2011No contexto da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) são cada vez mais frequentes as situações de cuidados aos pacientes em morte encefálica (ME), em especial nas instituições que realizam transplantes de órgãos. O cuidado e o cuidar na ME têm por finalidade preservar a condição de potencial doador. O estudo teve como objetivo compreender os significados do cuidado ao paciente em morte encefálica para enfermeiros de um hospital universitário da região Nordeste do Brasil. O referencial metodológico adotado foi a Grounded Theory ou Teoria Fundamentada nos Dados (TFD). O pensamento complexo proposto por Edgar Morin foi utilizado na análise e construção do Modelo Teórico. Participaram da investigação quatro enfermeiras assistenciais da UTI de um Hospital Universitário, quatro enfermeiros que desenvolviam suas atividades no serviço de captação de órgãos e transplante do referido hospital e quatro enfermeiros que haviam trabalhado na UTI daquele hospital em período anterior à implantação do serviço de transplante. Totalizaram 12 enfermeiros que constituíram três grupos amostrais. Utilizou-se a entrevista aberta para a coleta de dados. O processo da investigação foi desenvolvido por meio da coleta e análise simultânea e comparativa dos dados, sendo orientado pela codificação aberta, axial e seletiva, ordenação, integração dos conceitos, amostragem e saturação teórica. As entrevistas, diagramas e memorandos constituíram o material empírico da investigação. Desse processo emergiu o fenômeno "Desvelando as relações e interações múltiplas do ser enfermeiro na complexidade do cuidado ao ser em morte encefálica" definido pela interrelação de cinco categorias: Cuidando em Unidade de Terapia Intensiva; Tendo que organizar as práticas de cuidado em UTI ao ser em ME; Considerando as interveniências facilitadoras e dificultadoras do cuidado ao ser em ME na perspectiva das relações/interações entre o ser enfermeiro, ser equipe e família; Incorporando atitudes para cuidar da complexidade do ser em ME; e Emergindo a complexidade do cuidado ao ser em ME. Cuidar do paciente em ME para o enfermeiro é estabelecer múltiplas relações e interações no ambiente de terapia intensiva, seja com o ser em ME, com o ser equipe e com a família. Este cuidado é tecido por um emaranhado de concepções que é permeado por dúvidas, incertezas e questionamentos sobre o diagnóstico da ME. Isso porque este paciente está clinicamente morto, mas traz dentro de si a morte e a vida, configurando-se como um ser dialógico e complexo. Assistir o ser em ME exige que o enfermeiro assuma diferentes modos de cuidar e direcione-se para o cuidado complexo, incorporando uma nova consciência, que transpõe o pensamento reducionista de que este paciente não precisa de cuidados

Topics: Enfermagem, Cuidados de enfermagem, Morte cerebral, Enfermeiros, Relações Enfermeiro-paciente, Tratamento intensivo, Transplante de órgãos, tecidos, etc.
Publisher: Florianópolis
Year: 2011
OAI identifier: oai:agregador.ibict.br.RI_UFSC:oai:repositorio.ufsc.br:123456789/130861
Download PDF:
Sorry, we are unable to provide the full text but you may find it at the following location(s):
  • http://www.rcaap.pt/detail.jsp... (external link)
  • Suggested articles


    To submit an update or takedown request for this paper, please submit an Update/Correction/Removal Request.