Location of Repository

The influence of life course socioeconomic position on inequality of color/race in the occurrence of uterine leiomioma: the Pró-Saúde study

By Karine de Lima Sírio Boclin

Abstract

Os miomas uterinos (MU) são considerados os tumores mais comuns do sistema reprodutor feminino. Estudos norte-americanos demonstram que mulheres negras são mais acometidas pelos MU que as de outros grupos étnico-raciais. No entanto, as causas da desigualdade racial na ocorrência dos tumores permanecem desconhecidas e possíveis mecanismos são pouco explorados na literatura. Em outra direção, devido às características dos MU (crescimento lento e longo período de latência) parte considerável dos estudos epidemiológicos utilizam um delineamento transversal, o que pode gerar problemas metodológicos, como os relacionados à utilização da idade coletada transversalmente (posteriormente a ocorrência dos MU) como proxy da idade do surgimento dos tumores. Assim, este trabalho de tese foi dividido em três partes, como se segue. A primeira, com características descritivas, teve por objetivo estimar a ocorrência de MU autorelatados segundo categorias demográficas e sócio-econômicas na população de estudo (compôs o artigo 1). A segunda, com componente analítico, propôs-se a avaliar o papel da PSE ao longo da vida como mediadora do efeito da cor/raça na ocorrência de MU auto-relatados (compôs o artigo 2). A terceira, com caráter metodológico, teve por objetivo comparar medidas de associação, entre variáveis aferidas transversalmente, em análises que incluem a co-variável idade no momento da coleta de dados e análises que consideram a idade ao diagnóstico dos MU (compôs o artigo 3). Para tanto, foram analisados dados transversais da população feminina participante das duas etapas da linha de base do Estudo Pró-Saúde, referentes à história auto-relatada de diagnóstico médico de MU e ainda a características sócio-demográficas, da vida reprodutiva e de acesso a serviços de saúde. Os resultados evidenciaram o aumento de ocorrência de MU em mulheres de maior idade e com a cor da pele mais escura (artigo 1); que a PSE ao longo da vida não medeia as associações entre cor/raça e MU (artigo 2); e que apesar das diferenças de pequena magnitude, a idade referida no momento da coleta de dados parece ser menos indicada para fins de especificação dos modelos analíticos do que a idade ao diagnóstico dos MU(artigo 3).The uterine myomas (UM) are considered the most frequent benign neoplasm of the female reproductive system. U.S. studies showed that UM occur more frequently among black women, but the nature of this association remains largely unexplained in the literature. In another direction, due to the characteristics of the UM (slow growth and latency period) considerable amount of epidemiological studies use a cross-sectional design, which can lead to methodological problems such as those related to the use of age collected transversally (later the occurrence of UM) as a proxy for age of onset of tumors. This thesis was divided into three parts, as follows. The first, descriptive, aimed to estimate the occurrence of self-reported UM by demographic and socio-economic characteristics in the study population (article 1). The second, whit an analytical component, aimed to evaluate the role of life-course SEP like mediator of the effect of color/race in the occurrence of self-reported UM (article 2). The third, with a methodological nature, aimed comparing measures of association between variables collected transversally, in analysis that include the covariate age at the time of data collection and analysis that considered the age at diagnosis of UM (article 3).For this, we analyzed cross-sectional data from selfadministered questionnaires completed by female civil servants at a Rio de Janeiro university during the baseline data collection of the Pró-Saúde Study. The analyzed variables were: self-reported history of medical diagnosis of UM, UM with symptoms prior to diagnosis, hysterectomy due to UM and also the socio-demographic characteristics, reproductive life and health care access variables. The results showed that UM risk increased with the age and darkening of skin color, and the lifecourse SEP did not mediate this association (articles 1 and 2); and that despite differences of small magnitude, it seems that the age at the time of data collection is less recommended than the age at diagnosis in cross-sectional analysis (article 3)

Topics: Desigualdades de cor/raça, Miomas uterinos, Posição sócioeconômica, Epidemiologia do curso de vida, Idade ao diagnóstico, Estudo transversal, EPIDEMIOLOGIA, Myoma uterine, Color/race inequalities, Socioeconomic position, Lifeourse epidemiology, Age at diagnosis, Cross-sectional study, EPIDEMIOLOGIA
Publisher: Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Year: 2011
OAI identifier: oai:agregador.ibict.br.BDTD_UERJ:oai:www.bdtd.uerj.br:2058
Download PDF:
Sorry, we are unable to provide the full text but you may find it at the following location(s):
  • http://www.rcaap.pt/detail.jsp... (external link)
  • Suggested articles


    To submit an update or takedown request for this paper, please submit an Update/Correction/Removal Request.