Article thumbnail

Ontogenetic and sexual variation in cranial characters of Aegialomys Xanthaeolus (Thomas, 1894)(Cricetidae: Sigmodontinae) from Ecuador and Peru

By Joyce R. PRADO and Alexandre R. PERCEQUILLO

Abstract

Aegialomys xanthaeolus (Cricetidae: Sigmodontinae) inhabits the arid montane areas of western Ecuador and Peru, and higher elevations in the upper Marañón valley in northern Peru. Some researchers have included this species in broader systematic assessments over the years, but there are no comprehensive studies focusing on intraspecific variation. There are several sources of intraspecific phenotypic variation, including sexual dimorphism and age. These sources may confound the assessment of similarity/dissimilarity among populations, therefore it is essential that non-geographic variation is evaluated before studies on geographical variation and species delimitation are carried out. Here we summarize existing information regarding the geographical distribution of A. xanthaeolus and evaluate variation related to sex and age. We analyzed 19 traditional cranio-dental measurements taken from specimens housed in scientific collections, and organized the collecting localities of specimens examined in a gazetteer and plotted them on a distribution map. Uni and multivariate statistical analyses allow us to assert that age variation was significant, as age classes 3, 4 and 5 can be pooled for the subsequent analysis of geographic variation and that sexual dimorphism is not a consistent component of variation within this species in the continental samples, when considering samples from the same locality, or localities close to each other.Aegialomys xanthaeolus (Cricetidae: Sigmodontinae) habita principalmente as áreas montanas áridas do oeste do Equador e Peru, e ainda as altas elevações na parte superior do vale Marañón ao norte do Peru. No decorrer dos anos alguns trabalhos incluíram esta espécie, mas nenhum deles estudou profundamente a estrutura da variação dentro dela. Existem várias fontes de variação fenotípica intraespecífica, entre elas dimorfismo sexual e idade. Essas fontes podem confundir o acesso a similaridade/dissimilaridade entre populações, dessa maneira é fundamental que a variação não-geográfica seja esclarecida antes dos estudos relacionados à variação geográfica e delimitação de táxons. Este trabalho representa um estudo inicial com A. xanthaeolus, sumarizando a informação existente a respeito da sua distribuição geográfica e compreendendo sua variação relacionada ao sexo e à idade. Para tal nos baseamos nas análises de mensuração morfométrica tradicional de 19 medidas crânio-dentárias acessadas em coleções científicas, e organizamos as localidades de coleta dos espécimes examinados em um índice de localidades e um mapa de distribuição. A análise dos dados teve uma abordagem morfológica em nível quantitativo, através de análises estatísticas uni e multivariadas. Os resultados obtidos nos permitem afirmar que a variação ontogenética é significante, que as classes etárias 3, 4 e 5 podem ser agrupadas para as análises de variação geográfica e que o dimorfismo sexual não é um componente consistente de variação para esta espécie, quando consideramos amostras provenientes de uma mesma localidade, ou de localidades próximas umas as outras.Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP)CNP

Topics: Geographic Distribution, Skull, Ontogeny, Sexual Dimorphism, Morphometrics, Distribuição Geográfica, Crânio, Ontogenia, Dimorfismo sexual
Publisher: USP
Year: 2011
DOI identifier: 10.1590/S0031-10492011000900001
OAI identifier: oai:www.producao.usp.br:BDPI/4722
Journal:

Suggested articles


To submit an update or takedown request for this paper, please submit an Update/Correction/Removal Request.