Location of Repository

Tendência secular do peso ao nascer na cidade de São Paulo (1976-1998) Secular trends in birth weight in S. Paulo city, Brazil (1976-1998)

By Carlos Augusto Monteiro, Maria Helena D'Aquino Benicio and Luiz Patricio Ortiz

Abstract

OBJETIVO: Resgatar a tendência secular da distribuição do peso ao nascer na cidade de São Paulo, SP, bem como examinar suas possíveis causas, com base em dados coletados por dois inquéritos domiciliares sobre condições de saúde na infância realizados em 1984/85 e em 1995/96, complementados por informações procedentes de levantamento de prontuários de maternidades e por informações do Sistema Estadual de Declarações de Nascidos Vivos. MÉTODOS: Os inquéritos domiciliares estudaram amostras probabilísticas da população infantil de São Paulo com idade inferior a cinco anos (n=1.016 em 1984/85; n=1.280 em 1995/96). O levantamento de prontuários estudou uma amostra probabilística dos partos ocorridos nas maternidades da cidade no ano de 1976 (n=5.734). As declarações de nascidos vivos referem-se às coortes de crianças nascidas na cidade entre 1993 e 1998 (cerca de 200 mil crianças por ano). O estudo da distribuição social do peso ao nascer levou em conta a renda familiar per capita e a escolaridade materna. A estratégia analítica para estudar os determinantes da tendência secular do peso ao nascer empregou modelos hierárquicos de causalidade, análises multivariadas de regressão e procedimentos análogos aos utilizados para calcular riscos atribuíveis populacionais. RESULTADOS/CONCLUSÕES: A distribuição do peso ao nascer na cidade de São Paulo (média de 3.160 g com 8,9% de pesos <2.500 g) é inferior àquela esperada quando são ótimas as condições do crescimento fetal (média de 3.400-3.500 g com cerca de 4-5% de pesos <2.500 g). Essa distribuição pouco se modificou nos últimos 22 anos (1976-1998). Entretanto, no período, há evidências de evolução desigual do peso ao nascer segundo o nível socioeconômico (NSE) da população. Nos estratos de baixo NSE, a evolução tem sido favorável e isso se deve, aparentemente, ao melhor desempenho do crescimento intra-uterino, o qual poderia decorrer de melhorias em condições econômicas, no peso e na altura das gestantes, na assistência pré-natal e, possivelmente, do declínio no hábito de fumar. Nos estratos de alto NSE, a evolução do peso ao nascer tem sido desfavorável devido, aparentemente, ao aumento na freqüência de recém-nascidos prematuros, tendência provocada por fatores ainda não conhecidos.<br>OBJECTIVE: Data from two household surveys on infant and child health status undertaken in the mid-80s and mid-90s, complemented with previous data collected from maternity hospitals records and more recent data provided by the state system on birth registries, allowed to characterize and analyse secular trends in birth weight in the city of S. Paulo, Brazil. METHODS: The household surveys included random samples of children under 5 years old (n=1,016 children in 1984-85 and n=1,280 children in 1995-96). A random sample of births that took place in the city's hospitals in the year of 1976 (n=5,734) was drawn from the hospital records. Birth registries refer to children born in the city between 1993 and 1998 (around 200,000 per year). The study of the social distribution of birth weight took into account the per capita family income and maternal schooling. For the analysis of the determinants of secular trends, hierarchical causal models, multivariate regression analyses and calculations analogous to the ones used to assess population attributable risks were applied. RESULTS/CONCLUSIONS: Birth weight distribution in S. Paulo city (an average of 3,160 g and 8.9% of the values <2,500 g) is below the expected for optimum fetal growth conditions (average 3,400-3,500 g and 4-5% of the values <2,500 g). The birth weight distribution did not change substantially along the study period (1976-1998). However, there are evidences of changes when different socioeconomic strata are considered separately. Among the lower strata trends have been positive and this seems to be due to increases in intrauterine growth as a result of an improvement in family's purchasing power, women's weight and height, prenatal care and, possibly, the reduction in smoking. Among the higher socioeconomic strata, birth weight trends have been negative apparently due to an increase in premature births of unknown origin

Topics: Levantamentos epidemiológicos, Peso ao nascer, Fatores socioeconômicos, Escolaridade, Renda familiar, Prematuro, Tabagismo, Séries de tempo, Health surveys, Birth weight, Socioeconomic factors, Educational status, Family income, Infant, Smoking, Time series, Public aspects of medicine, RA1-1270, Medicine, R, DOAJ:Public Health, DOAJ:Health Sciences
Publisher: Universidade de São Paulo
Year: 2000
DOI identifier: 10.1590/S0034-89102000000700006
OAI identifier: oai:doaj.org/article:55354b89b114488daabe7a57ea75dfb3
Journal:
Download PDF:
Sorry, we are unable to provide the full text but you may find it at the following location(s):
  • https://doaj.org/toc/1518-8787 (external link)
  • https://doaj.org/toc/0034-8910 (external link)
  • http://www.scielo.br/scielo.ph... (external link)
  • https://doaj.org/article/55354... (external link)
  • Suggested articles


    To submit an update or takedown request for this paper, please submit an Update/Correction/Removal Request.