research

Narrativas identitárias e memórias pós-coloniais: uma análise da série documental 'Eu Sou África'

Abstract

Durante o século passado, o filme e o vídeo converteram-se em importantes docu-mentos inspiradores da memória coletiva, tornando-se neste século uma fonte cada vez mais relevante de evidências e de reflexões históricas. As memórias autobio-gráficas, em filme ou em vídeo, podem constituir um meio de (des)construção das nossas interpretações sobre os acontecimentos históricos, contribuindo assim para a luta contra as injustiças da nossa memória do passado. Com o propósito de desconstruir essas interpretações, propusemo-nos analisar a série documental Eu Sou África. Constituída por dez episódios, Eu sou África dá a palavra a dez cidadãos – dois de cada um dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP): Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e São Tomé e Príncipe – com intervenção cívica significativa para o desenvolvimento das nações nas quais nasceram e vivem. Os resultados desta investigação evidenciaram a organização das narrativas dos dez entrevistados em três temas centrais: as perceções sobre os significados da inde-pendência, que envolvem as representações dos atores envolvidos sobre o processo de (des)colonização e o modo como o vivenciaram; as perceções sobre a diversidade cultural e linguística nos seus países; e, finalmente, os discursos associados à (re)construção das identidades nacionais.During the last century film and video have become important inspiring documents of collective memory, becoming in this century an increasingly relevant source of evidence and historical reflection. The autobiographical memories based on film or video may be a tool for the (re)making of our interpretations of historical events, thus contributing to the fight against the injustices of our past memories. In order to deconstruct these interpretations, we decided to examine the documen-tary series entitled I am Africa. Consisting of ten episodes, I am Africa gives voice to ten citizens – two by each of the Portuguese Speaking African Countries (PALOP): Angola, Cape Verde, Guinea-Bissau, Mozambique and Sao Tome and Principe – with significant civic involvement in the development of the nations were they were born and currently live. The results of this research showed the narrative organization of the ten interve-nients in three central themes: the meanings of independence, which involve the representation of the subjects that have participated on the process of (de)coloniza-tion; the perceptions about the cultural and linguistic diversity in their countries and, finally, the discourses associated with the (re)making of national identities

    Similar works