125 research outputs found

    Revista Papo Sério

    Get PDF

    Feministas históricas e novas feministas no Brasil

    Get PDF
    Since the 90‚Äôs, a significant growing of feminism can be perceived in Brazil. This movement, restricted to a vanguard of young intellectualized women of middle urban classes, encompasses nowadays womwn of different social levels, in both rural and urban milieu, and of different generations. Basing herself in an exaustive empirical research, the author builds a generational typology of Brazilian feminist movement, having two important reference groups, the historic and the new feminists.D√®s les ann√©es 90, on aper√ßoit une r√©marquable croissance du mouvementf√©ministe au Br√©sil. Le mouvement, qui √©tait restraint √† une avant-garde de femmes intellectualis√©es des couches moyennes urbaines, compprend, aujourd‚Äôhui, des femmes de diff√©rentes g√©n√©rations. A partir d‚Äôune recherche empirique exhaustive, I‚Äôauteur b√Ętit une typologie g√©n√©rationnelle du mouvementf√©ministe br√©silien ayant deux grands groupes de r√©f√©rence, les f√©ministes historiques et les nouvelles f√©ministes.Observa-se, a partir dos anos 90, um significativo crescimento do feminismo no Brasil. O movimento, que nos anos 70 e 80 restringia-se a uma vanguarda de jovens mulheres intelectualizadas das camadas m√©dias urbanas, abarca hoje mulheres de diferentes camadas sociais tanto no meio rural, como no urbano, assim como mulheres de di ferentes gera√ß√Ķes. A partir de uma pesquisa emp√≠rica exaustiva, a autora constr√≥i uma tipologia geracional do movimento feminista brasileiro, tendo como grupos de refer√™ncia as feministas hist√≥ricas e as novas feministas

    POL√ćTICA E COTIDIANO: estudos antropol√≥gicos sobre g√™nero, fam√≠lia e sexualidade

    Get PDF
    Este livro √© fruto da prof√≠cua parceria estabelecida pela Associa√ß√£o Brasileira de Antropologia com a Funda√ß√£o Ford e com a Secretaria Especial de Pol√≠ticas para Mulheres (SPM) do Governo Federal na gest√£o 2004/2006. Os estudos sobre g√™nero, sexualidade e fam√≠lia que comp√Ķem este livro foram eleitos como os mais representativos das discuss√Ķes realizadas em cinco grupos de trabalho sobre estes temas, realizados durante a 25¬™ Reuni√£o Brasileira de Antropologia, ocorrida de 11 a 14 de junho de 2006 em Goi√Ęnia

    √Č poss√≠vel ensinar g√™nero na escola? An√°lise de experi√™ncias de forma√ß√£o em g√™nero, sexualidade e diversidades em Santa Catarina

    Get PDF
    Este trabalho reflete sobre desafios da sensibiliza√ß√£o pedag√≥gica aos temas de g√™nero e sexualidade a partir de diferentes experi√™ncias de forma√ß√£o de professoras/es e estudantes de diferentes n√≠veis de ensino (pr√©-escola, fundamental, m√©dio e universit√°rio) realizadas nos cursos de aperfei√ßoamento e especializa√ß√£o ‚ÄúG√™nero e Diversidade na Escola‚ÄĚ (GDE/SECADI), no ‚ÄúProjeto Papo S√©rio‚ÄĚ (NIGS/PROEXT), em cursos vinculados ao Programa Pr√≥-Equidade de G√™nero e no Programa Inicia√ß√£o √† Doc√™ncia em Ci√™ncias Sociais (PIBID/CAPES) desenvolvidos entre 2009 e 2016, sob nossa coordena√ß√£o, na ¬†Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e na Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS). Sabemos que escolas e universidades s√£o espa√ßos contradit√≥rios.¬† Nelas se reproduzem hierarquias e assimetrias, promovem-se viol√™ncias ou compactua-se com elas, silencia-se e se insiste em modelos normativos. Todavia, √© tamb√©m nesses espa√ßos que tem se produzido um importante movimento de transforma√ß√£o social, marcado pela busca crescente de forma√ß√£o de professores/as e estudantes nas tem√°ticas de g√™nero e sexualidade. Assim, um dos principais desafios da forma√ß√£o em g√™nero e sexualidade √© sensibilizar as pessoas a uma perspectiva cr√≠tica sobre as rela√ß√Ķes sociais naturalizadas pela domina√ß√£o, exclus√£o e discrimina√ß√£o.¬†Essa sensibiliza√ß√£o se d√°, via de regra, pela ‚Äúdescoberta‚ÄĚ das pessoas em forma√ß√£o de situa√ß√Ķes de seus cotidianos e de rela√ß√Ķes pessoais marcadas por viol√™ncias das mais diferentes ordens: dupla ou tripla jornada de trabalho, rela√ß√Ķes conjugais e familiares hier√°rquicas, sexismo, misoginia, capacitismo, racismo, homo-lesbo-transfobia. Mais do que categorias te√≥ricas, g√™nero e sexualidade, quando abordados de forma interseccional, dizem respeito a experi√™ncias, pr√°ticas e subjetividades de "sujeitos sociais" realizadas em rela√ß√Ķes coletivas. Refletiremos, a partir de exemplos concretos, sobre nossa experi√™ncia de forma√ß√£o de professoras/es e estudantes nesse campo, mostrando as potencialidades dessa forma√ß√£o para a transforma√ß√£o das rela√ß√Ķes sociais marcadas por diferentes viol√™ncias.

    Trabalho doméstico e suas complexidades: uma avenida entrecruzada por raça, gênero e classe

    Get PDF
    Book review: Trabalho Doméstico, by Juliana Teixeira, published in 2021.Resenha do livro: Trabalho Doméstico, de Juliana Teixeira, publicado em 2021

    Teoria Feminista e Produção de Conhecimento Situado: Ciências Humanas, Biológicas, Exatas e Engenharias

    Get PDF
    este livro re√ļne reflex√Ķes de pesquisadoras/es de diferentes gera√ß√Ķes que, vindas/os de m√ļltiplos horizontes intelectuais e acad√™micos, interrogam os campos da ci√™ncia e da produ√ß√£o de conhecimento cient√≠fico desde a √≥tica te√≥rica feminista. a maioria destas contribui√ß√Ķes foi apresentada durante a Jornada G√™nero e Ci√™ncias, organizada pelo niGs (n√ļcleo de identidades de G√™nero e subjetividades), na Universidade Federal de santa Catarina, nos dias 04 e 05 de julho 2013, com o apoio financeiro da secretaria de Pol√≠ticas para mulheres (sPm)1, sendo, em parte, resultados de pesquisas desenvolvidas em diferentes projetos individuais e coletivos financiados pelo CnPq e CaPes sobre esta tem√°tica e desenvolvidos, em sua grande maioria, na UFsC. os dados das pesquisas de campo e das pesquisas documentais aqui apresentados se referem aos anos de realiza√ß√£o destas pesquisas, algumas realizadas no in√≠cio da d√©cada de 2010.Livro financiado pela secretaria de Pol√≠ticas para as mulheres (sPm) - edital 2012 ‚Äď apoio a n√ļcleos de Pesquisa em G√™nero, pela Funda√ß√£o de amparo √† Pesquisa e inova√ß√£o do estado de santa Catarina (FaPesC) e pelo Conselho nacional de Desenvolvimento Cient√≠fico e Tecnol√≥gico (CnPq) - edital 2012 de apoio a n√ļcleos emergentes - PRonem

    ENSINO DE ANTROPOLOGIA NO BRASIL: Formação, práticas disciplinares e além-fronteiras

    Get PDF
    Trazemos, neste livro, as principais reflex√Ķes e debates sobre Ensino de Antropologia feitos no Brasil nas duas √ļltimas d√©cadas. Esta tem√°tica tem sido tema regular de mesasredondas, de simp√≥sios tem√°ticos e de grupos de trabalho nos cinq√ľenta anos da ABA, sendo que j√° estava presente nas primeiras reuni√Ķes brasileiras de Antropologia realizadas a partir de 1953

    Subjetividades na Constituição de Redes de Resistência entre Professoras Egressas do Curso de Especialização em Gênero e Diversidade na Escola em Santa Catarina

    Get PDF
    A especializa√ß√£o em G√™nero e Diversidade na Escola - GDE foi uma pol√≠tica p√ļblica dos governos da Frente Popular (2002-2016) voltada √† preven√ß√£o de viol√™ncias e ao exerc√≠cio de uma sociabilidade baseada no combate a hierarquias de g√™nero e no respeito √† diversidade, com √™nfase espec√≠fica nos espa√ßos escolares, na preven√ß√£o a viol√™ncias contra as mulheres e nas diversidades √©tnico-raciais e de g√™nero. No presente artigo, analisamos os impactos da terceira edi√ß√£o do curso na UFSC (2015-2017) nas trajet√≥rias profissionais e pessoais de egressas e egressos. A pesquisa faz parte da disserta√ß√£o de mestrado intitulada ‚ÄúO GDE mudou a minha vida‚ÄĚ, defendida em 2020. Realizada atrav√©s de diversas metodologias de pesquisa (entrevistas, levantamento de dados de arquivos, grupos focais, levantamento de suas produ√ß√Ķes ao fim do curso) e de an√°lise (redes sociais, redes sem√Ęnticas, temas dos TCCs) e partindo de pressupostos da teoria antropol√≥gica, com √™nfase nos conceitos de subjetividade e redes sociais, buscamos refletir sobre as apropria√ß√Ķes e interpreta√ß√Ķes que foram feitas pelas cursistas a respeito dos conceitos trabalhados no curso e em suas vidas profissionais e pessoais. Identificamos que houve um impacto significativo em suas pr√°ticas profissionais e em situa√ß√Ķes de viol√™ncia com as quais se deparam em sala de aula e no ambiente escolar, viabilizando a√ß√Ķes bem-sucedidas na solu√ß√£o desses conflitos e no encaminhamento de situa√ß√Ķes de viol√™ncia e abuso identificadas no ambiente escolar

    Direitos Humanos, Antropologia e Educação: revisitando o passado e avançando na caminhada por uma educação antidiscriminatória

    Get PDF
    Este dossiê tem por objetivo apresentar resultados do projeto Direitos Humanos, Antropologia, Educação: experiências de formação em Gênero e Diversidades, financiado pelo Edital 38/2017 - Educação em Direitos Humanos da CAPES em parceria com a Secretaria de Alfabetização, Diversidade e Inclusão (SECADI) do Ministério da Educação (MEC), extinta no governo Bolsonaro, em 2019
    • ‚Ķ
    corecore