2,498 research outputs found

    Treino desportivo

    Get PDF
    Programa desenvolvido, assim como dar a conhecer todos os intervenientes, contextos e envolvências ligadas ao estágio, demonstrando a complexidade e exigência que representa trabalhar num clube amador de futebol e de que forma a ciência pode ter uma função determinante no treino desportivo, nomeadamente no futebol

    Treino desportivo

    Get PDF
    Realizado no √Ęmbito do Mestrado em Ci√™ncias do Desporto, o presente relat√≥rio tem como principal objetivo dar a conhecer as aprendizagens e o trabalho desenvolvido durante o est√°gio profissionalizante, sendo este uma excelente oportunidade para articular teoria e pr√°tica. O relat√≥rio focou-se na descri√ß√£o, fundamenta√ß√£o e reflex√£o das decis√Ķes e a√ß√Ķes subjacentes ao treino desportivo da equipa com quem contactei na pr√°tica, contextualizando o jogo de futebol tendo em conta o escal√£o et√°rio da mesma. O est√°gio decorreu entre o in√≠cio de setembro de 2013 e o fim de junho de 2014, no Clube Desportivo ‚Äď Uni√£o Desportiva Oliveirense, mais propriamente na equipa de futebol de forma√ß√£o Benjamins C (sub-7), constitu√≠da por 20 jogadores. A Uni√£o Desportiva Oliveirense √© um clube portugu√™s, localizado na cidade de Oliveira de Azem√©is, na √Ārea Metropolitana do Porto. Foi fundada a 25 de Outubro de 1922 e √© o clube mais representativo do concelho de Oliveira de Azem√©is, sendo um dos "grandes" do distrito de Aveiro. Enquanto estagi√°rio, as minhas tarefas incidiram na coadjuva√ß√£o do treino com sugest√Ķes pr√°ticas para o seu planeamento; na colabora√ß√£o da observa√ß√£o do advers√°rio e na elabora√ß√£o de planos de treino. Este desafio tornou-se uma mais valia, trazendo-me ensinamentos importantes e permitindo-me fazer novas descobertas e construir e concretizar solu√ß√Ķes perante as adversidades. Na verdade, esta foi a minha primeira experi√™ncia como elemento de uma equipa t√©cnica e, por isso, no in√≠cio existiram dificuldades relativamente √† coadjuva√ß√£o do processo de ensino-treino. Estas dificuldades s√≥ foram ultrapassadas com vontade, empenho e dedica√ß√£o da minha parte e com toda a compreens√£o, aux√≠lio e insist√™ncia da equipa t√©cnica que me acompanhou. Importa salientar que, paralelamente ao est√°gio foi desenvolvido um trabalho de investiga√ß√£o com o intuito de verificar a evolu√ß√£o da aptid√£o f√≠sica e motora dos jovens atletas. Para tal, foi feita uma interpreta√ß√£o/an√°lise dos resultados obtidos e uma aprecia√ß√£o cr√≠tica que se encontra, igualmente, neste relat√≥rio

    Abordagens sobre treino desportivo

    Get PDF
    Os contributos para o desenvolvimento das compet√™ncias dos profissionais da √°rea das Ci√™ncias do Desporto s√£o sempre bem-vindos. Com o intuito de se constituir como uma ferramenta de trabalho para todos os que procurem conhecimento nesta √°rea t√£o espec√≠fica, elaborou-se este documento estruturado, contendo informa√ß√£o espec√≠fica e pertinente. Mantemos tamb√©m uma pol√≠tica editorial de abertura √† comunidade cient√≠fica da √°rea das Ci√™ncias do Desporto, originando um livro que re√ļne um conjunto de artigos que abordam tem√°ticas diversas em contextos diferentes e da autoria de Professores/Investigadores nacionais e internacionais, de reconhecido m√©rito acad√©mico e cient√≠fico. Relativamente √† estrutura, este documento est√° dividido em 13 se√ß√Ķes - Artigos - de tem√°ticas relacionadas com a √°rea do Treino, mas com perspetivas distintas, realizados com base em investiga√ß√Ķes realizadas nos mais diversos contextos.SHERU, Sport, Health & Exercise Resarch Unit - Instituto Polit√©cnico de Castelo Branco - C√Ęmara Municipal de Idanha-a-Novainfo:eu-repo/semantics/publishedVersio

    Treino de Jovens: Princípios Orientadores

    Get PDF
    Documento que recolhe os tra√ßos gerais da interven√ß√£o do treinador de jovens, considerando as poss√≠veis orienta√ß√Ķes pedag√≥gicas, os eixos de evolu√ß√£o do praticante, os diferentes modelos did√°ticos de inicia√ß√£o, os momentos id√≥neos para a interven√ß√£o nas diferentes qualidades motoras e a rela√ß√£o entre o treinador de jovens e os restantes agentes implicados no processo (destacando-se, naturalmente, os pais)

    Comparison between olympic weightlifting exercises and derivatives for fatigue impact quantification

    Get PDF
    Disserta√ß√£o para obten√ß√£o do grau de mestre em Desporto - Atividades desportivas para crian√ßasA gest√£o da carga de treino √© um aspeto de extrema import√Ęncia na gest√£o de fadiga e indu√ß√£o de adapta√ß√Ķes em quase todas as modalidades, sendo que no halterofilismo s√£o conhecidas algumas das vari√°veis de carga, nomeadamente a intensidade e volume. No entanto a tipologia do exerc√≠cio permanece uma inc√≥gnita em termos concretos porque o empirismo nos diz que alguns exerc√≠cios induzem maior fadiga que outros, contudo n√£o √© conhecido em concreto a raz√£o dessa quantifica√ß√£o. Dessa forma, este trabalho quantificou a fadiga induzida por v√°rios tipos de exerc√≠cios de halterofilismo atrav√©s de um desenho experimental, onde foi induzida fadiga em indiv√≠duos adultos atletas de halterofilismo com experiencia m√≠nima de 2 anos, atrav√©s da execu√ß√£o de um conjunto de 10 dos exerc√≠cios mais utilizados em halterofilismo, em que foi equalizada a intensidade e volume entre eles (4 s√©ries de 3 repeti√ß√Ķes), ap√≥s os quais foi efetuado um teste de Snatch Pull e avaliada a varia√ß√£o da velocidadem√©dia e m√°xima, amplitude de movimento e pot√™ncia m√©dia como medida de fadiga, pr√© e p√≥s execu√ß√£o do protocolo de cada exerc√≠cio, atrav√©s do transdutor linear marca Vitruve (Vitruve encoder; Madrid, Spain). Participaram nove mulheres e doze homens (respetivamente, idade, 29,67¬Ī5,74 anos e 28,17¬Ī5,06 anos; estatura, 158,78¬Ī6,70 cm e 174,50¬Ī6,07 cm; massa corporal, 60,84¬Ī7,34 kg e 79,46¬Ī5,32 kg; %massa gorda, 17,76¬Ī7,63 % e 16,98¬Ī5,14 %). Relativamente a amostra total, foram encontradas diferen√ßas significativas na amplitude de movimento dos exerc√≠cios de Snatch Pull, Snatch e Back Squat (respetivamente, p<0,001 e Effect Size (ES)=0,986; p=0,003 e ES=0,731; p=0,021 e ES=0,547) e na amplitude de movimento de Clean and Jerk (C&J) (p=0,015 e ES=0,582), na pot√™ncia m√©dia, foram encontradas diferen√ßas significativas no Power Snatch, Snatch, Snatch Pull e Back Squat e no C&J (respetivamente, p=0,043 e ES=0,472; p=0,048 e ES=0,460; p=0,003 e ES=0,729; p=0,009 e ES=0,636; p=0,037 e ES=0,488), na velocidade m√°xima foram encontradas diferen√ßas significativas no Power Snatch, Snatch, Snatch Pull e Back Squat (respetivamente, p=0,008 e ES=0,638; p<0,001 e ES=0,998; p<0,001 e ES=0,906 ; p<0,001 e ES=0,906), na velocidade m√©dia, foram encontradas diferen√ßas significativas no Snatch Pull e no Back Squat (respetivamente, p=0,030 e ES=0,509; p=0,003 e ES=0,727), quando analisados os g√©neros separadamente, no grupo feminino, encontramos diferen√ßas significativas na amplitude de movimento do Snatch, Snatch Pull e Back Squat (respetivamente, p=0,006 e ES=1,218; p=0,001 e ES=1,776; p=0,002 e ES=1,474), na vari√°vel pot√™ncia m√©dia, foram encontradas diferen√ßas significativas no Snatch, Snatch Pull e Back Squat (respetivamente, p=0,006 e ES=1,227; p=0,002 e ES=1,512; p=0,001 e ES=1,679), na velocidade m√°xima revelaram-se diferen√ßas significativas no Snatch, Snatch Pull e Back Squat (respetivamente, p=0,002 e ES=1,469; p=0,005 e ES=1,258; p<0,001 e ES=2,058), relativamente a vari√°vel velocidade m√©dia este grupo mostrou diferen√ßas significativas no Snatch, Snatch Pull e Back Squat (respetivamente, p=0,006 e ES=1,228; p=0,003 e ES=1,372; p=0,001 e ES=1,660), no grupo masculino, encontramos diferen√ßas no ROM do Snatch Pull, C&J e Clean (respetivamente, p=0,042 e ES=0,663; p=0,004 e ES=1,033; p=0,020 e ES=0,786), foram apenas encontradas diferen√ßas significativas na pot√™ncia m√©dia no C&J (p=0,009 e ES=0,910), na velocidade m√°xima o grupo revelou diferen√ßas significativas no Power Snatch, Snatch e Snatch Pull (respetivamente, p=0,009 e ES=0,910; p=0,025 e ES=0,745; p=0,039 e ES=0,675), a velocidade m√©dia apresentou diferen√ßas significativas apenas no C&J (p=0,011 e ES=0,876). Concluiu-se que existem diferen√ßas na indu√ß√£o de fadiga entre a maioria dos exerc√≠cios analisados e que o g√©nero feminino parece ser mais resistente √† fadiga que o g√©nero masculino, relativamente aos exerc√≠cios derivados do C&J. No entanto nos exerc√≠cios derivados do Snatch o inverso parece acontecer na maioria das vari√°veis, exceto na velocidade m√°xima, em que ambos os g√©neros apresentam fadiga similar nos exerc√≠cios analisados.Load management is an extremely important subject in the control of fatigue and adaptation process in almost all sports. In Olympic Weightlifting (OW), some of the load variables are known, namely intensity and volume. However,the type of exercise remains unknown in specific terms because empiricism tells us that some exercises induce greater fatigue than others, nonetheless we do not know specifically the value for this quantification. Thus, this work intended to evaluate the amount of fatigue caused by various types of OW exercises. We resorted to an experimental quantitative design, where we induced fatigue in adult individuals with weightlifting experience of at least 2 years, through the execution of a set of 10 of the most used exercises in OW, in which the intensity and volume between them were equalized (4 sets of 3 repetitions), after which a Snatch Pull test was performed and changes in maximum and medium velocity, range of motion and medium power were evaluated as fatigue measurement, between before and after the protocol of each exercise through the linear transductor Vitruve (Vitruve encoder; Madrid, Spain). Nine women and twelve men have participated in the study (age, 29.67¬Ī5.74years and 28.17¬Ī5.06years; height, 158.78¬Ī6.70cm and 174.50¬Ī6.07cm; body weight, 60.84¬Ī7.34kg and 79.46¬Ī5.32kg; %body fat, 17.76¬Ī7.63% and 16.98¬Ī5,14%, respectively). For the total sample, significant differences were found in the range of motion (ROM) of Snatch Pull, Snatch and Back Squat (p<0.001 and Effect Size (ES)=0.986; p=0.003 and ES=0.731; p=0.021 and ES=0.547, respectively) and also on Clean & Jerk (C&J) ROM (p=0.015 and ES=0.582), in the mean power variable, significant differences were found in Power Snatch, Snatch, Snatch Pull and Back Squat and C&J (p=0.043 and ES=0.472; p=0.048 and ES=0.460; p=0.003 and ES=0.729; p=0.009 and ES=0.636 ; p=0.037 and ES=0.488, respectively), in peak velocity, significant differences were found in Power Snatch, Snatch, Snatch Pull and Back Squat (p=0.008 and ES=0.638; p<0.001 and ES=0.998; p<0.001 and ES=0.906; p<0.001 and ES=0.906, respectively), in the mean velocity variable, significant differences were found in Snatch Pull and Back Squat (p=0.030 and ES=0.509; p=0.003 and ES=0.727, respectively). When genders were analysed separately, on the female group, significant differences were noticed in Snatch ROM, Snatch Pull and Back Squat (p=0.006 and ES=1.218; p=0.001 and ES=1.776; p=0.002 and ES=1.474, respectively), in the mean power variable, significant differences were found in Snatch, Snatch Pull and Back Squat (p=0.006 and ES=1.227; p=0.002 and ES=1.512 ; p=0.001 and ES=1.679, respectively), at peak velocity significant differences were revealed in Snatch, Snatch Pull and Back Squat (p=0.002 and ES=1.469; p=0.005 and ES=1.258; p<0.001 and ES=2.058, respectively), for the mean velocity variable, significant differences were found in Snatch, Snatch Pull and Back Squat (p=0.006 and ES=1.228; p=0.003 and ES=1.372 ; p=0.001 and ES=1.660, respectively). In the male group, differences were found in the ROM of Snatch Pull, C&J and Clean (p=0.042 and ES=0.663; p=0.004 and ES=1.033; p=0.020 and ES=0.786, respectively) also, significant differences in mean power were only found in C&J (p=0.009 and ES=0.910, at peak velocity were revealed significant differences in Power Snatch, Snatch and Snatch Pull (p=0.009 and ES=0.910; p=0.025 and ES=0.745; p=0.039 and ES=0.675, respectively), the mean velocity showed significant differences only in the C&J (p=0.011 and ES=0.876). It was concluded that there are differences in the induction of fatigue between most of the exercises analysed, and that the female gender seems to be more resistant to fatigue than the male gender, in relation to exercises derived from C&J, however in the exercises derived from Snatch the reverse seems to happen in most variables except at maximum speed, in which both genders present similar fatigue in the analysed exercises.N/

    Lideran√ßa e treino desportivo: Implica√ß√Ķes para a forma√ß√£o do treinador de alto rendimento

    Get PDF
    [Excerto Introdu√ß√£o] A prepara√ß√£o dos atletas para o alto rendimento implica um conjunto variado de compet√™ncias por parte do treinador, nomeadamente a n√≠vel dos conhecimentos gerais e espec√≠ficos do desporto e da modalidade em causa, incluindo, por exemplo, dom√≠nio sobre a metodologia do treino, aspetos t√©cnicos e t√°ticos dessa modalidade, fisiologia dos atletas, psicologia do desporto, quest√Ķes educacionais e sociol√≥gicas do desporto, e mesmo um conhecimento sobre o conjunto de fatores estruturais e culturais inerentes a cada organiza√ß√£o desportiva e ambiente que a rodeia. Esta variedade de dimens√Ķes influenciadoras do rendimento desportivo exige que o treinador assuma uma multiplicidade de pap√©is, designadamente organizar e implementar planos de treino e de competi√ß√£o para os atletas, dirigir os atletas ao longo da √©poca desportiva, formular objetivos desportivos consonantes com as capacidades dos atletas e as expectativas dos clubes, relacionar-se com os atletas e outros agentes desportivos direta e indiretamente envolvidos no fen√≥meno desportivo, entre outros. (...

    Formação de Treinadores Desportivos

    Get PDF
    info:eu-repo/semantics/publishedVersio

    Treino desportivo : futebol de formação

    Get PDF
    O presente relat√≥rio est√° inserido no √Ęmbito de est√°gio do Mestrado em Treino Desportivo da Faculdade de Motricidade Humana. Este trabalho final de curso, para al√©m de pretender abordar alguns dos temas fundamentais da √°rea do treino ‚Äď mais especificamente na organiza√ß√£o e prepara√ß√£o de uma √©poca desportiva da modalidade de Futebol - visa dar a conhecer o trabalho concreto realizado na equipa de sub-19 do Clube Desportivo da Cova da Piedade SAD, na √©poca de 2018/2019. Neste sentido, este trabalho foi dividido em 4 partes fundamentais, sendo elas: Revis√£o da Literatura; √Ārea 1 - Organiza√ß√£o e Gest√£o do Processo de Treino e Competi√ß√£o; √Ārea 2 - Projeto de Inova√ß√£o e √Ārea 3 - Rela√ß√£o com a Comunidade. Na Revis√£o da Literatura foram abordados temas que suportaram a minha interven√ß√£o pr√°tica, tais como planeamento, modelo de jogo, periodiza√ß√£o, observa√ß√£o e an√°lise de jogo, monitoriza√ß√£o da carga de treino, treino da for√ßa e treino sensoriomotor. Na √Ārea 1, Organiza√ß√£o e Gest√£o do Processo de Treino e Competi√ß√£o, foram descritas todas as atividades realizadas por mim enquanto treinador, nomeadamente no que diz respeito √† operacionaliza√ß√£o de um modelo de jogo, √† elabora√ß√£o de microciclos semanais, √† observa√ß√£o e an√°lise de jogo, √† monitoriza√ß√£o da carga de treino e √† realiza√ß√£o de treino complementar em gin√°sio, seja com vista ao desenvolvimento da for√ßa ou √† preven√ß√£o de les√Ķes. Na √Ārea 2, o Projeto de Inova√ß√£o procurou estruturar e organizar um processo de treino de for√ßa que, englobando todos os escal√Ķes existentes no clube, tinha como objetivo desenvolver o atleta a longo prazo. Por fim, na √Ārea 3, Rela√ß√£o com a Comunidade, foi realizada uma forma√ß√£o que abordava o tema de observa√ß√£o e an√°lise de jogo em contexto de futebol de forma√ß√£o e no contexto de futebol profissional.This report concerns the internship of the Master‚Äôs Degree in Sports Training at Faculdade de Motricidade Humana. This final work, besides wanting to approach some of the fundamental themes of the training area ‚Äď specifically in the organization and preparation of a sport season in Football ‚Äď also aims to show the actual work done in the Clube Desportivo da Cova da Piedade SAD U19 team, in the 2018/2019 season. As such, this work is divided in 4 fundamental parts, being as follows: Review of the Literature; Area 1 ‚Äď Organization and Management of the Training and Competition Process; Area 2 ‚Äď Innovation Project and Area 3 ‚Äď Community Relations. In the Review of the Literature i approached themes that support my practical intervention, such as planning, game model, periodization, game analysis and observation, monitoring training load, strength training and sensorimotor training. In Area 1, Organization and Management of the Training and Competition Process, are described all the activities performed by myself in the coach position, namely what concerns the operationalization of a game model, the elaboration of weekly microcycles, observation and game analysis, monitoring training load and the execution of complementary training in the gym, wether aiming at strengh development or at injury prevention. In Area 2, the Innovation Project seeks to structure and organize a strength training process, emcompassing all levels within the club, and its objective was to develop the athlete in the long term. Lastly in Area 3, Community Relations, a training session was carried out, approaching the theme of game analysis and observation in the context of youth football and in the context of professional football
    • ‚Ķ
    corecore