Article thumbnail

O museu de arte perante o desafio da memória

By Maria Isabel Rocha Roque

Abstract

Os museus surgiram como síntese representativa de uma realidade, impondo questões sobre a preservação das memórias inerentes à função e à simbologia dos objetos. No caso dos museus de arte, o objetivo era constituir um repositório patrimonial que contribuísse para a criação de uma identidade cultural, pelo que os objetos eram avaliados sobretudo em função da excelência dos seus parâmetros estéticos, em detrimento de outras significações; também a historiografia da arte privilegiava os aspectos formais, estabelecendo atribuições e estilos. Essas circunstâncias determinaram a descontextualização do objeto no espaço museológico. Porém, a partir de meados do século XX, os estudos sobre o público, enquanto entidade plural e diversificada, e os debates teóricos em torno da significação do objeto contribuíram para uma redefinição do discurso museológico. O museu passou a compensar as perdas inerentes ao processo de musealização por meio de um conjunto de procedimentos e ferramentas que recontextualizam os significados do objeto nas suas múltiplas valências. Entre ambos os vetores, de descontextualização e de recontextualização, o museu desafia a nossa memória pessoal e coletiva

Topics: Museu, Arte, Patrimônio, Exposição, Percepção, Informação, Latin America. Spanish America, F1201-3799, Social Sciences, H
Publisher: Museu Paraense Emílio Goeldi
DOI identifier: 10.1590/S1981-81222012000100006
OAI identifier: oai:doaj.org/article:2410094e4d2843f39aecab95cc4afdfa
Journal:
Download PDF:
Sorry, we are unable to provide the full text but you may find it at the following location(s):
  • https://doaj.org/toc/2178-2547 (external link)
  • http://www.scielo.br/scielo.ph... (external link)
  • https://doaj.org/article/24100... (external link)
  • Suggested articles


    To submit an update or takedown request for this paper, please submit an Update/Correction/Removal Request.