Article thumbnail

Morte e memória, modos de arquivar/desarquivar na literatura contemporânea

By Haydee Ribeiro Coelho

Abstract

IX Congresso Brasileiro de Hispanistas realizado nos dias 22 a 25 agosto 2016O texto tem como objetivo refletir sobre a morte, a memória, os modos de arquivar na literatura contemporânea, tendo como base romances publicados no final do século XX e no início do século XXI, a saber: Cañas de la Índia (1995), de Hugo Achugar, assinado com o heterônimo de Juana Caballero; Os bêbados e os sonâmbulos (1996), de Bernardo Carvalho e Cinzas do Norte (2005), de Milton Hatoun. A escolha desses romances não ocorre por acaso. Nos textos mencionados, há uma busca de identidade que se concretiza pela memória, articulada por “temporalidades disyuntas” (Leonor Arfuch.). Tendo em vista o recorte proposto, é possível verificar outros pontos de confluência: as remissões às ditaduras latinoamericanas e seus rastros que atravessam as narrativas mencionadas e, ainda, as memórias de família. Conforme Leonor Arfuch, o “caráter configurativo da memória” se articula ao arquivo. Nesse sentido, cabenos indagar como os arquivos / livros conservam diferentes memórias e de que maneira são arquivados e desarquivados o presente e o passado. Nessa direção, evidenciaremos como os livros/arquivos assinalados adquirem “um significado de destaque como memória potencial ou précondicão material para memórias culturais futuras” (Aleida Asmann).UNILA­-UNIOEST

Topics: Literatura Contemporânea
Year: 2016
OAI identifier: oai:dspace.unila.edu.br:123456789/2237

Suggested articles


To submit an update or takedown request for this paper, please submit an Update/Correction/Removal Request.