Skip to main content
Article thumbnail
Location of Repository

Estudo de utilização de medicamentos em contexto hospitalar : exemplo dos benzodiazepinicos

By Grace Miriam de Almeida Pfaffenbach

Abstract

Nos últimos anos o uso de benzodiazepínicos (BOl) em hospitais tem sido objeto de análise em vários países. Estudos de utilização de medicamentos são escassos em países em desenvolvimento, e existem poucos estudos sobre padrões de utilização de medicamentos no Brasil. Os objetivos deste estudo foram contribuir com novas informações sobre . métodos de estudos de utilização de medicamentos em hospitais, avaliar os padrões de prescrição de BOl, bem como as prescrições de outros fármacos com ação depressora sobre o SNC. Foi realizado um estudo transversal em um hospital escola de 329 leitos ativos. No dia do estudo (29/06/95), todas as folhas de prescrição dos pacientes adultos '1ão psiquiátricos clínicos e cirúrgicos, foram examinadas para se verificar a ocorrêncià de prescrição de BOl e de outros fármacos com ação depressora sobre o SNC. O Pronto Socorro e a Unidade de Terapia Intensiva foram excluídos. A farmácia hospitalar dispensa somente diazepam e midazolam. Os dados foram analisados usando o teste do chi-quadrado e análise de variância. O valor de p< 0,05 foi considerado . estatisticamente significante. A população de estudo foi de 273 pacientes. Cinqüenta e oito porcento (157) destes pacientes receberam tratamento clínico. Cinqüenta e seis (20,5%) eram idosos, com idade acima de 64 anos. Cento e setenta e cinco (64,1%) eram homens. Oiazepam foi o 12Q fármaco mais prevalente. A prevalência para a prescrição de BOl foi de 8,8%. Não foi observada diferença entre sexo e idade para as prescrições dos pacientes com BOl. Quando o foco se direcionou para outros fármacos com ação depressora sobre o SNC, dipirona em combinação dose-fixa com prometazina e adifenina (n=87, 31,9%) foi o fármaco mais prevalente, seguido de paracetamol em combinação dose-fixa com codeína (n=38, 13,9%). Oipirona em combinação inclui em sua formulação a prometazina, um anti-H1 com potente ação sedativa. Quando se observou a via de administração deste fármaco, foi verificado que 83 pacientes (95,4%) receberam prescrição para a via parenteral. . Mas 57,1% destas prescrições foram para pacientes recebendo outros medicamentos pela via oral, sugerindo que ocorreu um uso desnecessário da via parenteral. A prometazina contida neste medicamento ajuda a explicar a pequena prevalência de prescrição de BOl. A Organização Mundial da Saúde recomenda para a seleção de medicamentos essenciais, que combinações em dose-fixa só não aceitáveis quando a dose de cada ingrediente atende à necessidade de uma população definida e a combinação tenha provado sua vantagem sobre a administração.. de compostos simples, no que se refere ao seu efeito terapêutico, segurança ou adesão ao tratamento. Como dipirona em combinação não atende a estas recomendações, deveria ser removida do formulário terapêutico do hospital, após discussão com os prescrevedoresNot informe

Topics: Doentes hospitalizados, Farmacologia, Medicamentos
Publisher: Universidade Estadual de Campinas . Faculdade de Ciências Médicas
Year: 1997
OAI identifier: oai:agregador.ibict.br.BDTD_UNICAMP:oai:unicamp.br:vtls000115648
Download PDF:
Sorry, we are unable to provide the full text but you may find it at the following location(s):
  • http://www.rcaap.pt/detail.jsp... (external link)
  • Suggested articles


    To submit an update or takedown request for this paper, please submit an Update/Correction/Removal Request.