Skip to main content
Article thumbnail
Location of Repository

A Verdade e a concepção semântica

By Ederson Safra Melo

Abstract

Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em Filosofia.Esta dissertação tem como objetivo específico apresentar, traçar considerações e discutir as teorias da verdade de Alfred Tarski e de Saul Kripke. Além disso, este trabalho analisa, de maneira geral, o conceito de 'verdade' a fim alcançar uma maior compreensão desse conceito. Ao lidarmos de maneira ampla com esse conceito complexo, apresentamos a ambiguidade do termo 'verdade' e separamos algumas possíveis acepções de tal termo sob o prisma das teorias clássicas e teorias semânticas da verdade. Com isso, destacamos a acepção e o contexto teórico de que as abordagens semânticas, de Tarski e a de Kripke, pretendem dar conta. Com base nisso, traçamos uma discussão geral sobre os portadores de verdade, considerando a posição de Tarski e Kripke diante de suas teorias. Além disso, essa investigação possibilitou delimitarmos o objetivo geral das abordagens semânticas tratadas. Tanto a abordagem ortodoxa (tarskiana) quanto a não ortodoxa (kripkeana) pretendem salvaguardar importantes intuições do termo 'verdade' e, ao mesmo tempo, evitar inconsistências tais como o paradoxo do mentiroso. Contudo, Tarski e Kripke divergem tanto nos procedimentos para alcançar esse objetivo geral quanto nas intuições que anseiam apreender com suas teorias, resultando, com isso, em diferenças interessantes entre uma abordagem e outra. Tarski, pela condição de adequação material, apreende as intuições clássicas do conceito 'verdade' e, por meio das condições de correção formal, pretende assegurar a precisão e a consistência de sua teoria. Através de um procedimento diferente, Kripke analisa situações de uso ordinário do predicado-verdade, expondo os conceitos de fundamentação (Groundedness) e ponto fixo, e relacionando-os com importantes intuições de uso do predicado-verdade; além disso, oferece, a partir deles, uma definição rigorosa de sentença paradoxal. Para lidar com o paradoxo do mentiroso, Tarski restringe sua definição às linguagens semanticamente abertas. Já Kripke preserva a consistência de sua abordagem sem exigir a abertura semântica. Todavia, enquanto que na abordagem ortodoxa o predicado-verdade é totalmente definido, na não ortodoxa tal predicado é parcialmente definido. Além de apresentar e discutir tais abordagens semânticas, traçamos algumas considerações, em linhas gerais, sobre a possibilidade de aplicação de seus métodos a línguas naturais

Topics: Filosofia, Logica, Verdade, Semântica (Filosofia)
Publisher: Florianópolis, SC
Year: 2012
OAI identifier: oai:agregador.ibict.br.RI_UFSC:oai:repositorio.ufsc.br:123456789/99262
Download PDF:
Sorry, we are unable to provide the full text but you may find it at the following location(s):
  • http://www.rcaap.pt/detail.jsp... (external link)
  • Suggested articles


    To submit an update or takedown request for this paper, please submit an Update/Correction/Removal Request.