Location of Repository

Investigação da presença de Leishmania em lesões cutâneas cicatrizadas e pele sadia de pacientes com Leishmaniose tegumentar americana clinicamente curados

By Cíntia Cristiane de Paula

Abstract

A Leishmaniose Tegumentar Americana (LTA) é uma doença endêmica, causada por diferentes espécies de Leishmania e distribuída por todos os estados brasileiros. No entanto, não estão estabelecidos os critérios de cura clínica definitiva, nem a participação da resposta imunológica na manutenção do estado de cura, na reativação de lesões e no desenvolvimento da forma mucosa. A persistência parasitária após a cura clínica, já demonstrada anteriormente, poderia estar relacionada a estes fenômenos. Este estudo objetivou identificar DNA de Leishmania e a presença de parasitas através do cultivo, do exame direto e do exame histopatológico, em cicatrizes cutâneas e em pele sadia de pacientes com LTA tratados e clinicamente curados. Cinquenta pacientes com LTA e 30 com esporotricose (grupo controle) foram submetidos a avaliação dermatológica, avaliação otorrinolaringológica com fibra óptica, intradermorreação de Montenegro (IDRM), e sorologia para leishmaniose por ensaio imunoenzimático indireto (ELISA) e por reação de imunofluorescência indireta (RIFI) Após consentimento livre e esclarecido, fragmentos de cicatriz e de pele sadia foram obtidos por biópsia, com o auxílio de "punch" 6mm. O tempo mediano decorrido entre a cicatrização da lesão e entrada no projeto foi de 25 (LTA) e 46 meses (controle) respectivamente. Os fragmentos teciduais, cujo peso mediano foi de 7,1mg, foram subdivididos em pequenas amostras submetidas à: a) extração de DNA e amplificação genérica e subgenérica por reação em cadeia da polimerase (PCR) com revelação em gel de agarose dos produtos amplificados; b) isolamento de formas promastigotas em meio de cultura bifásico (NNN enriquecido com meio Schneider e soro fetal bovino); c) investigação de formas amastigotas por exame direto corado pelo Giemsa; e d) exame histopatológico. Todos os pacientes encontravam-se clinicamente curados, com lesões cutâneas cicatrizadas e sem lesões mucosas em atividade. A IDRM foi positiva em 88% dos pacientes, a sorologia por ELISA em 44% e a RIFI em 26%. Foram encontradas duas amostras de cicatriz cutânea positivas para Leishmania, uma na PCR e outra no "imprint", ambas do grupo de LTA. As demais amostras de cicatriz e de pele sadia foram negativas Os presentes resultados confirmam achados anteriores que Leishmania pode persistir em lesões cicatrizadas. A negatividade para Leishmania nas amostras de pele sadia não apóia a hipótese do ser humano como fonte de infecção. A baixa frequência de positividade encontrada nas cicatrizes pode ser parcialmente explicada pela realização das biópsias no bordo da cicatriz, região por onde se inicia o processo de cicatrização durante o tratamento, pelo tamanho diminuto dos fragmentos cutâneos estudados e pela baixa carga parasitáriaAmerican Cutaneous Leishmaniasis (ACL) is an endemic disease caused by different species of Leishmania and distributed in all Brazilian states. However, there are neither established criteria for definitive clinical cure, nor on the immune response participation in the maintenance of the state of cu re, in the reactivation of the lesions, and in the development of the mucosal form. The parasite persistence after clinical cure, previously demonstrated, could be related to these phenomena. This study aimed to identify Leishmania DNA and the presence of parasites through cultivation, direct examination and histopathology studies on skin scars and healthy skin of patients with ACL treated and clinically cured. Fifty patients with ACL and 30 with s porotrichosis (control group) underwent dermatologic assessm ent, EENT fiber optics evaluation, Montenegro skin test (MST), and leishmaniasis serology by enzyme immunoassay (ELISA) and indirect immunofluorescence assay (IFA). After informed consent, fragments of scarred and healthy skin were obtained by punch 6 mm b iopsy. The median time between the healing of the lesion and study entry was 25 (ACL) and 46 months (control) respectively. The tissue samples, whose average weight was 7.1 mg, were further divided into small samples submitted to: a) DNA extraction and gen eric and subgeneric amplification by polymerase chain reaction (PCR) with in agarose gel revelation of amplified products, b) isolation of promastigotes in biphasic medium (NNN medium enriched with fetal calf serum in Schneider media), c) investigation of amastigotes forms by Giemsa - stained direct examination, and d) histopathological studies. All patients were clinically cured, with healed skin lesions and no mucosal lesions in activity. The MST was positive in 88% of patients, ELISA serology in 44% and IF AT in 26%. Two cutaneous scarring samples were found positive for Leishmania , one by PCR and one in the "imprint" , both ACL group . Additional samples of scarred and healthy skin were negative. The present results confirm earlier findings that Leishmania ma y persist in healed lesions. The samples negative for Leishmania in the healthy skin does not support the hypothesis of human beings as a source of infection. The low frequency of positivity found in the scarred tissues may be partially explained by the pe rformance of biopsies at the edge of the scarred region, where the healing process begins during treatment, and the extremely small size of the skin fragments studied and low parasite loa

Topics: Persistência Parasitária, Leishmaniose Tegumentar Americana, Leishmaniose Cutânea, Leishmaniose, Reação em Cadeia da Polimerase, Cicatriz
Year: 2010
OAI identifier: oai:agregador.ibict.br.RI_FIOCRUZ:oai:localhost:icict/8163
Download PDF:
Sorry, we are unable to provide the full text but you may find it at the following location(s):
  • http://www.rcaap.pt/detail.jsp... (external link)
  • Suggested articles


    To submit an update or takedown request for this paper, please submit an Update/Correction/Removal Request.