Skip to main content
Article thumbnail
Location of Repository

Physical intimate partner violence in pregnancy: a risk factor for postpartum depression?

By Gustavo Lobato de Azevedo

Abstract

A violência entre parceiros íntimos (VPI) e a depressão pós-parto (DPP) são as temáticas principais dessa Tese. Seu objetivo principal foi investigar se a violência física entre parceiros íntimos (VFPI) é um fator de risco para DPP. Adicionalmente, a estrutura dimensional da Edinburgh Postnatal Depression Scale (EPDS) foi reavaliada, e outro estudo estimou a prevalência de DPP entre mulheres usuárias de unidades básicas de saúde na cidade do Rio de Janeiro, Brazil. As informações que subjazem esses três artigos originaram-se de um inquérito realizado em cinco UABS no Rio de Janeiro, entre janeiro e junho de 2007. Foram selecionadas aleatoriamente mulheres com até cinco meses pós-parto que estivessem aguardando por consultas pediátricas, sendo consideradas inelegíveis aquelas que não haviam vivenciado ao menos um mês de relação íntima no ciclo grávido-puerperal, cujas gestações-índice foram gemelares, ou se houvesse contra-indicação absoluta para a amamentação. Dentre 852 mulheres selecionadas, 18 (2,1%) eram inelegíveis e 23 (2,8%) recusaram-se a participar, totalizando então 811 entrevistas completas. No artigo inicial a validade dimensional da EPDS foi reavaliada através de análise fatorial exploratória (AFE) e, em seguida, análise fatorial confirmatória (AFC). Os resultados da AFC apontaram que a EPDS é mais bem definida por uma solução fatorial que inclui três fatores de primeira ordem (―stress comum‖, ―ansiedade‖ e ―depressão‖) e um fator de segunda ordem, o qual parece representar o construto depressão pós-parto. O segundo artigo mostrou uma prevalência geral estimada de DPP na população estudada de 24,3%. Contudo, houve um pico de sintomas depressivos próximo ao terceiro mês pós-parto, quando a magnitude projetada de DPP atingiu 37,5%. Ainda neste período crítico, a prevalência estimada de DPP ultrapassou 50% entre mulheres com bebês prematuros ou cujos parceiros faziam uso excessivo de álcool. Quadro ainda mais grave foi observado entre mães sem parceiros fixos ou cujos companheiros usavam drogas ilícitas ou psicotrópicas, com mais de 70% delas apresentando-se provavelmente deprimidas. Em relação ao artigo principal dessa Tese, este revelou que a VFPI é um fator de risco para DPP mesmo após essa relação ser controlada para diversas covariadas. Foi também identificada uma interação significativa entre VFPI e o uso demasiado de álcool pelos companheiros (p-valor=0,026). Entre as mulheres cujos parceiros faziam mal uso de álcool, apenas um ato de VFPI não aumentou a probabilidade de DPP (OR=0,87, IC 95% 0,25-3,03), enquanto dois ou mais eventos foram significativamente associados à DPP (OR=3,62, IC 95% 1,64-7,99). Já entre aquelas cujos companheiros não faziam mal uso de álcool, o aumento na probabilidade de DPP deu-se especialmente com a ocorrência de um episódio de VFPI (OR=2,47, IC 95% 1,31-4,66), enquanto dois ou mais episódios mostraram uma menor associação com DPP (OR=1,66, IC 95% 1,00-2,75). Em síntese, vislumbra-se que os resultados dessa Tese possam colaborar para uma melhor saúde materno-infantil em nosso meio. Conforme já discutido por outros autores, a utilização da EPDS para uma abordagem inicial dos quadros depressivos pós-natais deve ser encorajada, especialmente em situações de elevado risco psicossocial. Adicionalmente, ações que visem à prevenção da DPP devem contemplar o enfrentamento da VPI.The intimate partner violence (IPV) and the postpartum depression (PPD) are the main themes of this Thesis, whose main purpose was to investigate whether physical intimate partner violence (PIPV) is a risk factor for postpartum depression (PPD). Additionally, a methodological study reappraised the dimensional structure of the Edinburgh Postnatal Depression Scale (EPDS), and another descriptive study provided estimates of the prevalence of PPD among women seeking care in primary health care (PHC) settings. The information underlying these manuscripts were derived from a survey performed in five PHC units in Rio de Janeiro, between January and June 2007. The participants were randomly selected among women whose children were under five months of age and were waiting for pediatric care. Women were considered ineligible if they have not experienced at least one month of intimate relationship during pregnancy or postpartum period, whether their index pregnancies were twins, or there was an absolute contraindication for breastfeeding. Among 853 women invited to participate, 18 (2.1%) were ineligible and 23 (2.7%) refused to participate, then totalizing 811 completed interviews. In the first study the dimensional validity of the EPDS was reevaluated through exploratory factorial analysis (EFA) and, subsequently, confirmatory factor analysis (CFA). The CFA results disclosed that the EPDS is better defined by a factorial solution that includes three first-order factors (―general distress‖, ―anxiety‖ and ―depression‖) and a second-order factor, which can be interpreted as a synthesis of the construct ―postpartum depression‖. The second article shows that the estimated overall prevalence of PPD in the study population was 24.3%. However, there was a peak of depressive symptoms around the third postnatal month, when the magnitude of women probably depressed reached 37.5%. Moreover, in this critical period, the estimated prevalence of PPD was more than 50% among women with premature babies or whose partners misused alcohol. Situation even more serious was observed among mothers without steady partners or whose partners used illicit or psychotropic substances, with more than 70% of them presenting probable PPD. Finally, the principal article of this thesis showed that the PIPV is a risk factor for PPD, even after this relationship is controlled for several covariates. It was also identified a significant interaction between PIPV and misuse of alcohol by partners (p-valor=0.026). Among women whose partners misused alcohol, only one act of PIPV did not increase the likelihood of PPD (OR=0.87, IC 95% 0.25-3.03), whereas two or more events were significantly associated with PPD (OR=3.62, IC 95% 1.64-7.99). In contrast, among those women whose partners did not misuse alcohol, the likelihood of PPD increased principally after a single episode of VFPI, whereas two or more episodes showed a lower association with PPD (OR=1.66, IC 95% 1.00-2.75). As a synthesis, the results of this Thesis can contribute to improve the maternal and child health. As already discussed by other authors, the EPDS should be used in a first approach of depressive disorders after birth, especially among people presenting a high-risk psicossocial profile. In addition, actions directed to the prevention of PPD should address IPV

Topics: EPIDEMIOLOGIA, Violência doméstica, Violência entre parceiros íntimos, Depressão pós -parto, Transtornos mentais, Prevalência, Fator de risco, Análise fatorial, Domestic violence, Intimate partner violence, Pospartum depression, Mental disorders, Risk factor, Factor analysis, Prevalence, EPIDEMIOLOGIA
Publisher: Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Year: 2010
OAI identifier: oai:agregador.ibict.br.BDTD_UERJ:oai:www.bdtd.uerj.br:821
Download PDF:
Sorry, we are unable to provide the full text but you may find it at the following location(s):
  • http://www.rcaap.pt/detail.jsp... (external link)
  • Suggested articles


    To submit an update or takedown request for this paper, please submit an Update/Correction/Removal Request.