Skip to main content
Article thumbnail
Location of Repository

Darl, the genius in Faulkner

By Leila de Almeida Barros

Abstract

Considerada pela crítica uma das mais enigmáticas criações de William Faulkner, a personagem Darl Bundren, de As I Lay Dying (1930), é aqui analisada à luz do pensamento do filósofo alemão Arthur Schopenhauer, principalmente no que diz respeito à noção do homem de gênio, conforme apresentado no terceiro livro de O Mundo como Vontade e como Representação (1819). Em As I Lay Dying, o autor leva ao extremo suas experimentações ficcionais por meio de 59 monólogos de quinze narradores que se revezam para contar a jornada da família Bundren, da qual participam direta ou indiretamente. Em uma carroça, a família de pequenos agricultores transporta o cadáver de sua matriarca até Jefferson, a capital do condado imaginário Yoknapatawpha, a fim de cumprir a promessa de enterrá-la junto ao restante de seus familiares. Mais adiante, nota-se que aquilo que se poderia chamar de uma verdadeira odisseia não é concluída pela maior parte dos Bundrens por honra à memória da mãe, mas sim por suas ambições pessoais. Enquanto os demais Bundrens, em termos schopenhauerianos, permanecem presos ao mundo do conceito e da abstração, Darl parece contemplar nesses mesmos objetos a sua verdade, desprezando uma reflexão superficial sobre a utilidade que teriam no mundo fenomênico. Dessa forma, a personagem seria como o homem de gênio, o “puro sujeito que conhece” (SCHOPENHAUER, 2005, p. 254), o único que possui uma sensibilidade artística e que se entrega à seu trágico destino porque o mundo à que sua família se confina “não é o seu mundo” (FAULKNER, 2002, p. 223). A fim de fazer essa aproximação entre o pensamento schopenhaueriano e o herói faulkneriano, esta dissertação se divide em quatro capítulos. O capítulo introdutório discutirá brevemente o movimento modernista americano, seu contexto histórico, os problemas nele tratados, além de sua diversidade de temas. Além disso, discute-se o contexto de produção de Faulkner, com uma extensa revisão bibliográfica sobre as especificidades de sua obra e suas principais preocupações literárias. Uma revisão bibliográfica da fortuna crítica de As I Lay Dying é apresentada no primeiro capítulo. No segundo, apresenta-se um delineamento de O Mundo para que se faça melhor compreender a teoria do homem de gênio. Aqui, buscar-se-á ainda aproximar a filosofia schopenhaueriana à obra de Faulkner, a partir da discussão de trabalhos que lograram unir uma ou outra de suas preocupações estéticas às premissas do filósofo de Frankfurt. Por fim, no terceiro capítulo, será realizada a análise do romance a partir da noção schopenhaueriana do homem de gênio.Considered by critics as one of the most enigmatic creations of William Faulkner, the character Darl Bundren in As I Lay Dying (1930) is here examined in the light of the thought of the German philosopher Arthur Schopenhauer, especially with regard to the notion of the genius as presented in the third book of The World as Will and Representation (1819). In As I Lay Dying, the author takes to the extreme his fictional experimentations through 59 monologues of fifteen narrators who take turns to tell the journey of the Bundren family, in which they participate directly or indirectly. In a wagon, the family of small farmers carries the corpse of their matriarch to Jefferson, the capital of the fictional Yoknapatawpha County, in order to fulfill the promise to bury her with the rest of her family. Later on, it is observed that what might be called a genuine odyssey is not finished by most of the Bundrens for honor of the memory of the mother, but because of their personal ambitions. While the other Bundrens, in schopenhaeurian terms, remain trapped in the world of concept and abstraction, Darl contemplates the same objects for their truth, disregarding the superficial reflection on the utility that they would have in the phenomenal world. Thus, the character could be compared to the genius, the “pure subject of knowing” (SCHOPENHAUER, 2005, p. 254), the only one who has an artistic sensibility and surrenders to his tragic destiny because the world to which his family is confined “is not his world” (FAULKNER, 2002, p. 223). In order to make this approximation between Schopenhauer's thought and the Faulknerian hero, this dissertation is divided into four chapters. The introductory chapter briefly discusses the American modernist movement, its historical context, the problems addressed in it, and its diversity of themes. In addition, it discusses Faulkner’s context of production, with an extensive literature review on the specificities of his work and his main literary concerns. A literature review of As I Lay Dying is offered in the first chapter. In the second one, a description of The World is presented in order to better understand the theory of the genius. Here, the objective is also to connect Schopenhauer's philosophy to the work of Faulkner through the discussion of works that have managed to intersect one or another of his aesthetic concerns to the premises of the Frankfurt philosopher. Finally, in the third chapter, an analysis of the novel from the schopenhauerian notion of the genius is performed

Topics: Literatura americana - História e crítica, Modernismo (Literatura) - Estados Unidos, Contemplação, Literatura e filosofia, American literature, History and criticism
Publisher: Universidade Estadual de Londrina. Centro de Letras e Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em Letras.
Year: 2014
OAI identifier: oai:agregador.ibict.br.BDTD_UEL:oai:uel.br:vtls000194230
Download PDF:
Sorry, we are unable to provide the full text but you may find it at the following location(s):
  • http://www.rcaap.pt/detail.jsp... (external link)
  • Suggested articles


    To submit an update or takedown request for this paper, please submit an Update/Correction/Removal Request.