Skip to main content
Article thumbnail
Location of Repository

Emprego em serviços domésticos e efeitos sobre a saúde.

By Andréa Monteiro de Amorim

Abstract

p. 1-96Introdução: estudos epidemiológicos sobre problemas de saúde auto-referidos por mulheres ocupadas no emprego em serviços domésticos (ESD) ainda são escassos na literatura científica, apesar de, no Brasil, representarem o mais numeroso grupo ocupacional na população feminina. O assédio sexual, apontado como comum entre empregadas em serviços domésticos, ainda não foi estudado com estas trabalhadoras. Estudos revelam que o assédio sexual ocorre em ambientes de trabalho e pode causar diferentes problemas de saúde como os transtornos mentais, baixa auto-estima e o alcoolismo. Outros efeitos à saúde também comuns entre as empregadas em serviços domésticos são os acidentes de trabalho não fatais e sintomas psíquicos. Pesquisas epidemiológicas revelam maior prevalência de sintomas de depressão e ansiedade entre empregadas em serviços domésticos quando comparadas com mulheres com outras ocupações. Já os acidentes de trabalho são um dos mais comuns agravos à saúde causados pelo trabalho no país e importante determinante de incapacidades e mortes. Estudos revelam alta incidência desses acidentes nesse grupo ocupacional, no entanto ainda não há informação sobre a força de ocorrência desse agravo nesta população. Objetivos: os objetivos desta tese foram testar a hipótese de associação positiva entre história de assédio sexual no emprego em serviços domésticos (ESD) e consumo de bebidas alcoólicas, analisado com o consumo abusivo (CAA) e a dependência de bebidas alcoólicas (DA); testar a hipótese de associação entre o ESD e a depressão maior (DM), considerando-se fatores de interação ou de confusão; e estimar a taxa de incidência dos acidentes de trabalho não fatais entre empregadas em serviços domésticos e testar a hipótese de que o ESD é fator de risco para acidentes de trabalho, considerando-se o tratamento de confundidores e modificadores de efeito. Métodos: os três artigos apresentam um desenho transversal de base populacional realizado com todas as mulheres de 10 a 65 anos de idade, no qual dois deles compõem as amostras de estudos realizados com metodologia semelhante, em Salvador e Aracaju. O outro é restrito apenas à população de Salvador. As amostras foram obtidas com o método de conglomerados de área, aleatório, de estágio único, domiciliar, nas respectivas regiões urbanas. Todos os membros familiares foram registrados e os que referiram ter uma atividade remunerada responderam a questionários sobre aspectos sociais, demográficos, ocupacionais e de saúde. Para cada estudo foram definidas diferentes estratégias de análise visando atender aos objetivos propostos em cada artigo. Assim, no Artigo 1, restrito apenas às empregadas em serviços domésticos, a variável independente foi o assédio sexual no local do trabalho, identificado pela pergunta "Alguma vez o seu patrão ou alguém da casa onde você trabalha(va) tomou ‘ousadia’ com você?". Para o desfecho empregou-se o PHQ (SPITZER et al., 1999) para identificar consumidores de bebidas alcoólicas que utiliza critérios da DSM-IV (2002). Foram consideradas na análise as seguintes co-variáveis modificadores de efeito: cor da pele, idade que começou a trabalhar, sente-se infeliz, racismo percebido e falta de apoio social. A idade e o nível educacional foram considerados como potenciais confundidoras da associação principal. No Artigo 2, a variável independente foi o emprego em serviços domésticos. Para o desfecho considerou-se a variável Depressão Maior (DM), definida a partir de um escore calculado com base nas respostas dadas às perguntas do PHQ desenvolvido e validado por Spitzer et al. (1999) instrumento que se baseia nos critérios da DSM-IV, criada pela Associação Americana de Psiquiatria (2002). As seguintes co-variáveis foram examinadas para modificação do efeito da associação principal: idade, estado civil, idade de início no trabalho pago e discriminação racial percebida. Como potenciais confundidoras da associação principal consideraram-se: nível educacional e discriminação no trabalho. Para o Artigo 3, a variável independente também foi o ESD e os acidentes de trabalho não fatais, o desfecho. Estes foram definidos a partir de uma narrativa dos entrevistados e classificados de acordo com Hagberg et al. (1997). Taxas de Incidência (TI) foram estimadas considerando-se no denominador o somatório da medida de pessoa-tempo, calculada em horas de trabalho nos últimos 12 meses. Para tal foi definida 100 FTE (de full time equivalent) que representa o número de trabalhadores em tempo integral. Para estimar associações utilizou-se a Razão da Taxa de Incidência (RTI) calculada a partir da regressão de Poisson. A idade e o nível educacional foram consideradas como potenciais confundidoras da associação principal. A cor da pele, a idade que começou a trabalhar, o tempo de experiência na ocupação, sentir-se infeliz, sentir-se sem saúde e o CAA foram consideradas como potenciais modificadoras de efeito. Estes últimos foram identificados em todos os estudos pelo Teste da Razão da Máxima Verossimilhança. Resultados: No Artigo 1 foram identificadas 454 empregadas em serviços domésticos. A proporção de assédio sexual referido foi de 5,5%. O consumo abusivo de álcool foi estimado em 23,8% e a dependência do álcool em 6,0%. Mulheres que referiram assédio sexual tinham maior prevalência de consumo de bebidas alcoólicas (RP=2,1; IC 95% 1,48 – 3,11), e dependência do álcool (RP=3,9; IC95% 1,86 – 8,19) do que as demais trabalhadoras. Não se encontraram evidências de modificação de efeito nem de confundimento. No Artigo 2, a população do estudo foi composta por 1.181 mulheres, sendo 256 empregadas em serviços domésticos e 925 com outras ocupações. A prevalência de DM foi 20,4%. Não houve associação entre o ESD e a DM (RP=1,22; IC 95% 0,92-1,62). Verificou-se que não ser casada modifica o efeito da associação principal (RPajust= 2,63; IC90% 1,16-6,00). A percepção da discriminação racial também modificou o efeito da associação principal, mas não houve significância estatística quando ajustada pelo nível de escolaridade. Esta última foi a única variável de confusão encontrada no estudo. No Artigo 3, a população do estudo compreendeu 2.825 mulheres, sendo 454 empregadas em serviços domésticos (ESD) e 2.371 com outra ocupação. A taxa de incidência de acidentes de trabalho não fatais foi estimada em 6,4/100FTE entre as empregadas em serviços domésticos e de 4,7/100FTE entre as demais trabalhadoras, diferença não estatisticamente significante (RTI=1,37; 0,90–2,08). A associação entre ESD e acidentes de trabalho foi positiva e estatisticamente significante apenas entre as ESD que começaram a trabalhar na faixa etária de 4 a 15 anos (RTI=2,02; IC 95% 1,05–3,90) e quando referiram infelicidade (RTI=2,15; IC 95% 1,12-4,17), sendo esta a única variável modificadora do efeito encontrada. Nenhum fator de confusão foi identificado neste estudo. Conclusão: os achados destes estudos, embora não sejam conclusivos, revelam que: os traumas emocionais que acompanham a violência sexual no trabalho podem acarretar conseqüências sobre o comportamento como o consumo abusivo de drogas e até mesmo a dependência. Evidências disso foram verificadas entre empregadas domésticas, especificamente para o álcool. Além disso, apesar da ausência de associação entre o ESD e a depressão maior (DM) há uma grande necessidade de novas pesquisas, principalmente com abordagem longitudinal, que possam esclarecer a relação entre a depressão e a percepção de discriminação racial, e o papel que esta tem para a associação entre o emprego em serviços domésticos e sofrimento psíquico. Ademais, a maior taxa de acidentes de trabalho entre as ESD que referiram o sentimento de infelicidade indica que a depressão ou sintomas depressivos são relevantes para a ocorrência ou percepção destes acidentes, achado importante ao se considerar que sintomas depressivos são comuns entre as empregadas em serviços domésticos. Assim, nota-se que o papel da depressão e dos sintomas depressivos devem ser avaliados tanto para o esclarecimento de sua relação com o ESD, quanto com os acidentes de trabalho entre mulheres nesta ocupação. Serviços de saúde e sindicatos devem disseminar os perigos do assédio sexual e suas conseqüências para a saúde psíquica e programas de proteção dessas trabalhadoras devem enfocar o controle do assédio sexual e a punição de perpetradores. Deve-se ainda rever as políticas de proteção dos acidentes de trabalho, sinalizando para a importância do bem estar como condição de vulnerabilidade para esses agravos

Topics: Emprego em serviços domésticos, Assédio sexual e alcoolismo, Depressão, Acidentes de trabalho não fatais, Prevalência, Epidemiologia
Publisher: Programa de pós-graduação em Saúde Coletiva
Year: 2008
OAI identifier: oai:agregador.ibict.br.RI_UFBA:oai:192.168.11:11:ri/10352
Download PDF:
Sorry, we are unable to provide the full text but you may find it at the following location(s):
  • http://www.rcaap.pt/detail.jsp... (external link)
  • Suggested articles


    To submit an update or takedown request for this paper, please submit an Update/Correction/Removal Request.