Skip to main content
Article thumbnail
Location of Repository

Avaliação da estabilidade de cor de uma resina bisacrílica submetida a diferentes tratamentos de superfície e soluções corantes

By Susane Lopes Grass

Abstract

TCC (graduação) - Universidade Federal de Santa Catarina. Centro de Ciências da Saúde. Odontologia.Objetivo: Avaliar a estabilidade de cor de uma resina bisacrílica mediante diferentes tratamentos de superfície, quando imersa em soluções corantes.\ud Materiais e métodos: Trinta discos foram confeccionados em resina bisacrílica na cor A2 e divididos em três grupos. Dez discos foram limpos friccionando-se gaze embebida em álcool (G1); dez discos foram limpos da mesma forma e receberam acabamento com discos abrasivos (G2); e os outros dez discos receberam o mesmo tratamento superficial do G2, seguidos de polimento com taça de borracha e pasta diamantada (G3). Cinco discos de cada grupo foram imersos em soluções corantes a base de café e refrigerante de cola por 7 e 20 dias. Para obter as coordenadas L*a*b*, a cor dos discos foi mensurada por um espectrofotômetro de esfera de integração antes da imersão em corantes (T0) e após 7 (T1) e 20 dias (T2). A estabilidade de cor (ΔE) de cada grupo foi analisada estatisticamente pelo teste ANOVA (p˂0,001) e as comparações múltiplas foram realizadas pelo teste Tukey HSD (p>0,01).\ud Resultados: As diferenças de cor não variaram significativamente entre os tratamentos superficiais testados (p=0,544). Elas variaram significativamente entre os tempos de imersão para café (p˂0,001) e coca-cola (p=0,026). Além disso, interações entre tratamento superficial e tempo de imersão não foram significativas (p=0,371 para café e p=0,083 para coca-cola).\ud Conclusão: Os tratamentos de superfície não alteraram a estabilidade de cor da resina bisacrílica. O café foi o corante que alterou de forma mais perceptível a cor da resina testada, sendo que essa alteração foi mais evidente com o aumento no tempo de imersão.Objectives: The aim of this study was to evaluate the color stability of a bis-acrylic resin treated by different polishing techniques exposed to different staining solutions.\ud Methods: Thirty discs made in bis-acrylic resin were separated into three groups. Ten disks were cleaned rubbing gauze soaked in alcohol (G1); ten discs were cleaned in the same way and were finished with abrasive discs (G2); and the other ten discs received the same surface treatment as G2, followed by polishing with a rubber cup and diamond paste (G3). Five discs of each group were immersed on staining solutions with coffee and cola for 20 days. The color measurements were obtained by a spectrophotometer before immersion in staining solutions (T0) and after seven (T1) and 20 days (T2). The color stability (ΔE) of each disc was estimated and statistically analyzed by ANOVA (p<0,001) and multiple comparisons were performed by Tukey HSD test (p<0,01). \ud Results: The color differences did not vary significantly among the type of polishing techniques used (p=0,544). They varied significantly between immersion time for coffee (p<0,001) and coke (p=0,026), but interactions between polishing techniques and immersion time were not significant (p=0,371 and p=0,083 for coffee and coke).\ud Conclusion: The polishing techniques did not lead to clinical color changes. The coffee was the staining solution that changed more noticeably the color of the resin tested, and this change was more evident with the immersion time

Topics: dente artificial, restauraçao dentaria temporaria, protese dentaria, corantes
Year: 2016
OAI identifier: oai:repositorio.ufsc.br:123456789/164102

Suggested articles


To submit an update or takedown request for this paper, please submit an Update/Correction/Removal Request.