Article thumbnail
Location of Repository

A iniciação alquímica e os mistérios órficos n'A montanha mágica

By Richard Miskolci

Abstract

O artigo analisa o romance de Thomas Mann inserindo-o na tradição literária ocidental como uma reatualização do mito de Orfeu. Mostramos como Hans Castorp tem seu paralelo mítico na figura do poeta que desceu ao mundo dos mortos e voltou como o portador dos mistérios da existência. A estrutura do romance é exposta de forma a demonstrar o intuito de Mann de criar um romance de iniciação, uma paródia do Bildungsroman (romance de formação) em que os ideais burgueses de educação são ironizados. O jovem burguês se descobre tuberculoso, a doença que se atribuía aos artistas, e desperta para a problemática humana com a iniciação alquímica que empreende em seus sete anos de encantamento na montanha mágica, na verdade, um sanatório para tuberculosos na Suíça. A cura é vislumbrada no Homo Dei, o andrógino buscado pelos alquimistas e a versão manniana do Übermensch de Nietzsche. Palavras-chave: Iniciação; Formação; Alquimia; Orfeu

Publisher: ITINERÁRIOS – Revista de Literatura
Year: 2008
OAI identifier: oai:clacso:br/br-048:article3536oai
Download PDF:
Sorry, we are unable to provide the full text but you may find it at the following location(s):
  • http://biblioteca.clacso.edu.a... (external link)
  • http://seer.fclar.unesp.br/iti... (external link)
  • Suggested articles


    To submit an update or takedown request for this paper, please submit an Update/Correction/Removal Request.