As dimensões metalinguísticas de Não há nada lá, de Joca Reiners Terron

Abstract

Este trabalho tem o objetivo de analisar como a obra Não há nada lá, de Joca Reiners Terron, configura-se em um discurso metalinguístico. Para tanto, utilizou-se como método uma análise que prezasse pelos elementos internos à obra. Não há nada lá é um romance que debate a si mesmo num discurso metalinguístico realizado de maneira múltipla. Primeiro, essa discussão dá-se pela inserção do tesseract e da quarta dimensão, originando uma ampliação dos limites do texto ficcional, que passa a incluir autor e leitor na obra, e que faz tempos e espaços distintos aparentemente transcorrem conjuntamente. Além disso, numa parodização do apocalipse bíblico, destaca-se o fim do romance, evidenciado pela estruturação do livro. Portanto, ao proclamar o fim do romance, Terron junta-se aos poetas louvados em seu texto, construindo também um tributo à literatura, pela invocação de escritores e artistas que representam a si mesmos, pela potencialização dos elementos que compõem a narrativa e pela discussão sobre o que é o livro

Similar works

Full text

thumbnail-image

Universidade Federal de Mato Grosso do Sul: UFMS / SEER - Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas

Provided a free PDF
oai:ojs.seer.ufms.br:article/7410Last time updated on 5/12/2020View original full text link

Having an issue?

Is data on this page outdated, violates copyrights or anything else? Report the problem now and we will take corresponding actions after reviewing your request.