Article thumbnail
Location of Repository

A prosódia de sentenças interrogativas totais nos falares catarinenses e sergipanos

By Vanessa Gonzaga Nunes

Abstract

Tese (doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Comunicação e Expressão, Programa de Pós-Graduação em Linguística, Florianópolis, 2015.O presente trabalho tem como objetivo principal investigar o comportamento melódico de sentenças interrogativas totais (sim/não) produzidas por catarinenses e sergipanos. Visa também, a partir da percepção de florianopolitanos e aracajuanos sobre suas próprias produções, verificar se as inferências entonacionais aqui apresentadas correspondem às percepções dos ouvintes. Apresentamos resultados de análises realizadas a partir de sentenças produzidas por informantes de Blumenau, Chapecó, Florianópolis e Lages, do estado de Santa Catarina e, das cidades de Aracaju, Estância e Lagarto, do estado de Sergipe. Da etapa de produção, participaram, ao todo, 14 locutores e, da etapa de percepção, 70 juízes. Trata-se de um estudo vinculado ao projeto Amper-POR (Atlas Multimídia Prosódico do Espaço Românico  Língua Portuguesa), que busca descrever a prosódia das línguas românicas. Agregou-se também ao presente estudo um corpus de fala lida, elaborado especificamente para esta pesquisa. O texto trata de um diálogo com contexto semântico-pragmático que estimula, de maneira mais natural possível, a produção de interrogativas totais neutras, mas também de interrogativas atitudinais de dúvida e de confirmação. Visando a comparação, todas as variedades das interrogativas totais aqui analisadas possuem as mesmas distribuições acentuais na região pré-nuclear ou nuclear das sentenças. Além disso, valores de F0 fornecidos em Hertz pelos scripts Amper foram normalizados em semitons e as análises que exigiam a duração, como a taxa de elocução, por exemplo, foram calculadas através da relação V2V (do início de uma vogal até o começo da vogal seguinte). Com respeito à frequência fundamental, descrevemos o desenho da curva de F0 e analisamos, a partir de valores normalizados, seis níveis de análise: (i) a média de F0, (ii) a variação de altura F0 intravocálica e (iii) intervocálica,(iv) a variação de altura de F0 no movimento de subida das interrogativas, (v) a tessitura (variação de F0 entre o ponto mínimo e o ponto máximo do enunciado) e a (vi) inclinação de F0 nas tônicas em região nuclear. Com respeito à duração, extraímos a taxa de elocução de cada uma das variedades. Dentre os resultados encontrados, verificamos que o contorno da região nuclear das interrogativas produzidas por catarinenses é quase que sistematicamente ascendente-descendente. As sentenças terminadas por paroxítonas produzidas por florianopolitanos e blumenauenses apresentam alto grau de desvozeamento das átonas finais, o que impede muitas vezes que o movimento descendente se complete. No que concerne às interrogativas neutras, os dados dos blumenauenses e dos florianopolitanos apresentam maiores semelhanças entre si, com menor alçamento de F0 no movimento de subida final. Os dados dos lageanos e dos chapecoenses têm mais proximidade entre si, com maior variação de altura F0 no movimento ascendente da curva. Os sergipanos também apresentaram, para a região nuclear, curvas ascendente-descendentes, porém, exibiram com maior frequência curvas com movimentos apenas ascendentes. A média de F0, a variação de altura F0 no movimento de subida e a tessitura se mostraram importantes parâmetros de distinção entre as variedades dialetais aqui estudadas. As proeminências ao longo da curva de F0 das interrogativas para os catarinenses se mostraram mais atreladas à distribuição dos acentos lexicais das palavras. Já as curvas melódicas dos sergipanos apresentaram, no primeiro terço da curva, ataque alto. Na sequência, movimento descendente e estacionário que configura, para o segundo terço da curva, um vale. O movimento ascendente da interrogativa é íngreme e só se realizará mais próximo à última sílaba do enunciado. Testes estatísticos validaram as diferenças entre as curvas melódicas dos catarinenses e dos sergipanos como significativas. No que concerne às sentenças não neutras, encontramos tanto para dúvida quanto para a confirmação nas produções de florianopolitanos e aracajuanos, subida tardia e frequências menos elevadas em relação às neutras. As taxas de elocução nos permitiram inferir que se confirma a impressão de que o florianopolitano fala mais rápido do que outras variedades catarinenses e não ratifica à visão impressionista de que todos os nordestinos têm um falar lento. Os testes de percepção revelaram que os juízes de Florianópolis foram capazes de identificar o falar florianopolitano, mas não tiveram bom desempenho diante das demais variedades dialetais catarinenses às quais foram expostos. Já os juízes de Aracaju não foram capazes de identificar satisfatoriamente nem o falar aracajuano, nem as demais variedades dialetais sergipanas às quais foram expostos.<br>Abstract : The present study investigated the melodic behavior of yes-no interrogatives (total) produced by subjects from Santa Catarina and Sergipe. By investigating the subjects perception of their own production, this study also examined whether the intonational inferences hereby presented correlated to listeners perception. We present results obtained with sentences produced by speakers from Blumenau, Chapecó, Florianópolis, and Lages, in Santa Catarina, and speakers from Aracaju, Estância, and Lagarto, in Sergipe. Fourteen speakers participated in the production experiment, whereas 70 judges took part in the perception tests. This research is linked to the Amper-POR project (Atlas Multimídia Prosódico do Espaço Românico  Língua Portuguesa), which seeks to describe the prosody of romance languages. A corpus based on reading elicitation was developed specially for the present study. The text used is a dialogue presented within a semantic-pragmatic context that encourages the production, in the most natural way, not only of neutral yes-no questions, but also the production of attitudinal questions that express either doubt or confirmation. All the types of total interrogatives included in the analyses presented the same stress distribution on prenuclear or nuclear regions so that a comparison could be carried out. Moreover, F0 values which were provided in Hertz by Amper scripts were normalized in semitones, and analyzes that required duration, as speech rate, for instance, were calculated by the V2V relation (the beginning of a vowel up to the beginning of the following vowel). With respect to the fundamental frequency, we described the melodic contour and analyzed, by using normalized values, the F0 mean, the variation of the F0 within a vowel range, the variation of the F0 in its rising movement, the pitch range (i.e., the variation of the F0 between the minimum and maximum points of the utterance) and the vowel slope (inclination of the stress vowels). Regarding duration, we extracted the elocution rate of each of the varieties. Concerning the results, we were able to observe that the contour of the nuclear region in interrogatives produced by subjects from Santa Catarina is almost systematically rising-falling. Sentences ending with paroxytones produced by subjects from Florianópolis and Blumenau presented a high rate of devoicing in final unstressed syllables, which most of timesprevented the falling movement from completion. Concerning neutral interrogatives, data provided by subjects from Blumenau and Florianópolis presented more similarities among them, with a shorter F0 increment in the final rise movement. Data obtained with subjects from Lages and Chapeço shared more similarities, with larger variation in the F0 height in the rising movement of the curve. Subjects from Sergipe also presented rising-falling curves for the nuclear region, but they more frequently showed curves with movements that were only rising. The F0 mean, the variation of F0 mean in the rising movement, and pitch range proved to be important distinction parameters among the dialectal varieties here investigated. The prominences throughout the melodic curve of interrogatives for subjects from Santa Catarina were more entrenched to the distribution of lexical stress. The melodic curves of subjects from Sergipe showeda high onset throughout the first third of the curve.In sequence, they showed a falling and stationary movement that configures, for the second third of the curve, a valley. The rising t movement of the interrogative is inclined and will be realized only next to the last syllable in the utterance. Statistical tests demonstrated that the differences between the melodic curves of subjects from Santa Catarina and from Sergipe were significant. Concerning the non-neutral sentences, we found a late rise and lower frequencies as much for doubt as for confirmation in relation to neutral sentences in productions from both Florianópolis and Sergipe. The speech rates allowed us to infer that speech from Florianopolis subjects is faster than other varieties from Santa Catarina, and thatsubjects from northeastern Brazilhave a low speech rate, which coincides well with general knowledge held about speech rates from these places. Perception tests revealed that judges from Florianópolis were able to identify their own speech variety, but they did not do well with the other state dialectal varieties that they were exposed to. On the other hand, judges from Aracaju were not able to identify satisfactorily either speech from Aracaju or speech from other dialectal varieties from Sergipe that they were exposed to

Topics: Linguística, Fala, Língua portuguesa, Versificação
Year: 2015
OAI identifier: oai:repositorio.ufsc.br:123456789/136468

Suggested articles

Citations

  1. (1986). (Ed.).Intonation and discourse. London: Croom Helm,
  2. (2005). 2e Séminaire International du Projet Amper. In: LAI, JeanPierre (Ed.), Project Amper Atlas multimédia prosodique de l’Espace roman - Géolinguistique, Hors série n.
  3. (2005). A descrição prosódica do português do Brasil no Amper. Geolinguistique, Hors série,
  4. (2008). A dictionary of linguistics and phonetics.4.
  5. (2008). A entoação dita expressiva: fenômeno discreto ou continuo? X Congresso de Fonética e Fonologia(apresentação cedida pelo autor). Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro,
  6. (2009). A entoação modal em cinco falares do Nordeste brasileiro.
  7. (2011). A entonação das interrogativas absolutas neutras no português do Rio de Janeiro.
  8. (2009). A expressão das emoções em atos de fala no Português do Brasil: produção e percepção.
  9. (2009). A influência de aspectos prosódicos na compreensão da linguagem oral e da leitura.
  10. (1990). A perceptual study of intonation: an experimental phonetic approach to speech melody.Cambridge:
  11. (2012). A prosódia das capitais brasileiras. In.: ALTINO,
  12. (2014). A prosódia das interrogativas totais na fala carioca: fala espontânea versus leitura.
  13. (2011). A Prosódia na expressão das atitudes de dúvida, incerteza e incredulidade no português brasileiro. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais,
  14. (2010). A prosódia na expressão de atitudes na fala de indivíduos com e sem gagueira.
  15. (2007). A prosódia no comando militar.
  16. (2011). A Prosódia regional em enunciados interrogativos espontâneos do português do Brasil. Revista Gatilho, ano VII,
  17. (2003). A representação da identidade do “manezinho”: entre a arte e a vida.
  18. (2002). A representação fonológica do acento pré-nuclear. In:
  19. A representação fonológica do acento pré-nuclear. In: César Reis.
  20. (2008). A sensibilidade de percepção da variação em semitons ascendentes em palavras isoladas. In:
  21. (1998). A survey of intonation systems. In: ______. Intonation systems: a survey of twenty languages. Cambridge:
  22. (1989). A.Influência açoriana no português do Brasil em Santa Catarina. Florianópolis: Editora da UFSC,
  23. (1992). Acento e ritmo. São Paulo: Contexto,
  24. (2011). Acesso em: 06 abr.
  25. (2013). Acesso em: 10
  26. (2010). Acesso em: 20 abr.
  27. (2005). Alguns esquemas entoacionais característicos da leitura de um texto por portugueses e brasileiros.
  28. (2010). Alignment of F0 model parameters with final and non-final accents in Argentine Spanish.
  29. (2009). Amper-Argentina: tonemas en oraciones interrogativas absolutas. Estudios de Fonética Experimental,
  30. (1990). An introduction to phonetics and phonology.
  31. (2005). Análise acústica e perceptivo-auditiva da voz de atores e não atores masculinos: long term average spectrum e o &quot;formante do ator&quot;.
  32. (2011). Análise da entoação em atitudes proposicionais de enunciados assertivos e interrogativos totais do espanhol argentino: nas variedades de Buenos Aires e Córdoba. Dissertação (Mestrado em Letras Neolatinas) - Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio
  33. (2013). Análise de Produção de Sentenças Interrogativas Totais em Aprendizes Brasileiros de Espanhol como Língua Estrangeira.
  34. (2008). Análise dos aspectos prosódicos na expressão da certeza e da dúvida no português brasileiro.
  35. (2008). Análise entonacional de enunciados assertivos, continuativos e interrogativos lidos em piadas espanhol/LE e espanhol/LM.
  36. (1997). Análises entonacionais de sentenças afirmativas e interrogativas totais nos falares florianopolitano e lageano.
  37. (1999). Antigos proprietários rurais de Lages. Revista ASBRAP,
  38. (2002). Aplicada às Ciências Sociais.
  39. (2005). Approche de la carte prodique dialectale de la langue catalane en Catalogne. In: LAI, Jean-Pierre (Ed.). Project Amper Atlas multimédia prosodique de l’Espace roman - Géolinguistique, Hors série n.
  40. (2010). As funções da entoação: tentativa de síntese,
  41. (1993). As funções modais da entoação. Cadernos de Estudos Linguísticos.
  42. (1970). As Study of Prosodic Features. Status Reports on speech research. (Haskins Laboratories),
  43. (2012). As vogais desvozeadas no português brasileiro: investigação acústico-articulatória.
  44. (2000). Aspectos de prosódia comparada: ritmo e entoação no PE e no PB.
  45. (2005). Atlas lingüístico de Sergipe II.
  46. (1987). Atlas Lingüístico de Sergipe. Salvador: Universidade Federal da Bahia; Fundação Estadual de Cultura do Sergipe,
  47. (2006). Atlas linguístico do Brasil: uma análise das questões de prosódia. In: MOTA, J.A.; CARDOSO, S.A M.(Org.). Documentos 2: projeto atlas linguístico do Brasil.
  48. (2002). Attitudinal Intonation and the Inferen. tial Process. In:
  49. (2006). Attitudinal patterns in Brazilian Portuguese intonation: analysis and synthesis.
  50. Avaliação da competência prosódica de segmentação em crianças e adultos.
  51. (2009). Avaliação instrumental dos efeitos da pausa e da ênfase nas durações das vogais e dos VOTs.
  52. (2013). Banco de dados falares sergipanos. Working Papers em Linguística,
  53. (1959). Boletim Técnico do Instituto Agronômico do Estado de São Paulo.
  54. (1992). Cadernos de Estudos Linguísticos,
  55. (2003). Campinas: Editora da Unicamp,
  56. (2014). Caracterização prosódica de sujeitos de diferentes variedades de fala no português brasileiro em diferentes relações sinalruído.
  57. (2012). Conhecendo melhor a prosódia: aspectos teóricos e metodológicos daquilo que molda nossa enunciação. Revista de Estudos da Linguagem,
  58. (2006). Considerações sobre a Relação entre Processos de Sândi e Ritmo. Estudos da Lingua(gem). Vitória da Conquista,
  59. (2008). Contato lingüístico na região de fronteira Brasil/Uruguai: a entoação dialetal em enunciados assertivos e interrogativos do português e do espanhol. Dissertação de mestrado. Rio de Janeiro: Faculdade de Letras UFRJ,
  60. (1989). Contributing to discourse.Cognitive
  61. (2011). declarativas e interrogativas totais nos falares marianense e belorizontino no âmbito do projeto AMPER.
  62. (2006). Declarativas em PB: downstepping ou nova combinação bitonal?. In:
  63. Demográfico 2010. Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, dados referente ao estado de Santa Catarina. Disponível em:
  64. (2003). Des fonctions de l’intonation : essai de synthèse.
  65. (1997). Dicionário de linguística.São Paulo: Cultrix,
  66. (2001). Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa.
  67. (2001). Discriminação entre línguas: evidência para classes rítmicas.
  68. (2004). Disponível em: http://www.celsul.org.br/Encontros/06/Coordenadas/27.pdf. Acesso em 08/04/2014. LUCENTE, L. ToBiPI: um sistema de notação entonacional para o português brasileiro.Semináriode Teses em Andamento (SETA).
  69. (2009). Dissertação (Mestrado em Letras Vernáculas) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro,
  70. (2005). Do Recife aos pampas: um experimento prosódico.
  71. (2002). Domínios prosódicos no Português do Brasil: implicações para a prosódia e para a aplicação de processos fonológicos.
  72. (1981). Elementos de fonética do português brasileiro.
  73. (2007). Elementos de fonética do português brasileiro. São Paulo: Paulistana,
  74. (1970). Éléments de Linguistique Générale.Librairie Armand Colin.
  75. (2009). Elements of Brazilian Portuguese intonation.
  76. (2007). Em-TOM-Ação: a prosódia em perspectiva.
  77. (2011). Entoação de frases declarativas e interrogativas no falar fluminense e catarinense. In:
  78. entoação e lateralização hemisférica.
  79. (2012). Entoação e léxico inicial.
  80. (1999). Entoação e síntese de fala: modelos e parâmetros. In: SCARPA, E. Estudos de prosódia. Campinas: Editora da Unicamp,
  81. (2000). Entoação regional do português do Brasil.
  82. (2005). Estudando a melodia da fala: traços prosódicos e constituintes prosódicos. O Ensino das Línguas e a Linguística.
  83. (1988). Estudio comparativo entre la entonación portuguesa (de Brasil) y la española.
  84. (2004). Estudo comparativo da variação prosódica em duas línguas românicas: o Português e o Italiano. In:
  85. (1999). Estudos de prosódia. Campinas: Editora da Unicamp,
  86. (2005). Etude de l’intonation d’un parler occitan :
  87. (1999). F0 declination in Brazilian Portuguese in read and spontaneous speech. In:
  88. (1996). Factos prosódicos nas gramáticas portuguesas, In:
  89. (2011). Florianópolis: Editora da UFSC,
  90. (1997). Focalização no português do Brasil.
  91. (1990). fonologia e morfologia do português. Lisboa: Universidade Aberta,
  92. (2006). História genética dos gaúchos - dinâmica populacional do sul do Brasil. Tese (Doutorado em Genética e Biologia Molecular)-Instituto de Biociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul,
  93. (2005). Hors série n. 3, p
  94. (2010). In defense of lab speech.
  95. (2009). Innovative moments and change in narrative therapy.
  96. (2011). Interrogativas totais no falar de florianopolitanos e lageanos. In:
  97. (1989). Intonation and its uses:melody in grammar and discourse. Stanford:
  98. (1967). Intonation, perception and language.
  99. (2006). Intonational cues to student questions in tutoring dialogs, Interspeech -ICSLP,
  100. (1996). Intonational phonology. Cambridge:
  101. (2001). Introdução à Linguistica: domínios e fronteiras. São Paulo:
  102. (2001). Is the phonetic quality of unaccented words unpredictable? An example from spontaneous Finnish.
  103. (1999). L’intonation, le système du français: description e modélisation.
  104. (2008). La notación prosódica del español: una revisión del Sp_ToBi. Estudios de Fonética Experimental XVII,
  105. (2003). La notación tonal del español en el modelo Sp_ToBI. In:
  106. (2006). La phonétique. Paris : Presses Universitaires de France,
  107. (2003). Las teorías linguísticas de la entonación. In:
  108. (2007). Le projet Amper: Passé, présent et avenir.
  109. (2004). Le sarde de Nuoro au sein du nouvel Atlas Multimédia Prosodique de l’Espace Roman (Amper),Géolinguistique,
  110. (1966). Les dix intonations de base du français. The French Review,
  111. (2012). Línguas de ritmo silábico. Revista de Estudos da Linguagem,
  112. (2015). Luzes sobre a dinâmica sincrônica e diacrônica do desvozeamento vocálico. Mesa redonda Desvozemento vocálico no português. Trabalho apresentado na Abralin
  113. (2008). Mais sobre a entoação de sentenças com ordem SV. Revista Letras,
  114. (2006). Melodic contours of yes/no questions in Brazilian Portuguese. In:
  115. Multimídia Prosódico do Espaço Românico: Língua Portuguesa. Informações disponíveis em http://pfonetica.web.ua.pt/AMPER-POR.htm. Acesso em:
  116. (2010). Multimodal perception and production of attitudinal meaning in Brazilian Portuguese. In: Speech Prosody.
  117. (2010). Música nativista e imaginários gauchescos: sobre cantar opinando.
  118. (2007). Notação entonacional do português em corpora de fala semi-espontânea e espontânea.
  119. (2002). O alinhamento dos tons do acento nuclear em enunciados declarativos na fala de crianças. In:
  120. (2007). O arquipélago da Madeira no Projecto Amper-POR. In: Lurdes de Castro Moutinho & Rosa Lídia Coimbra (Org.) I Jornadas Científicas Amper-POR. Actas,
  121. (2002). O Atlas Linguístico do Brasil (ALiB) e os estudos geolinguísticos no Brasil.SIGNUM: Estud.
  122. (2011). O falar florianopolitano e lageano: uma análise perceptual. In:
  123. (1999). O fenômeno da focalização e a interface fonologia-sintaxe.
  124. (1953). O linguajar carioca. Rio de Janeiro: Organização Simões,
  125. (1984). O melhor ainda não foi escrito. O melhor está nas entrelinhas. Clarice Lispector (Água Viva). Referências ABRAÇADO, J. Projeto Amper: as pesquisas brasileiras. IV Sinpel -Seminário Integrado de Pesquisas em Linguística.
  126. (2014). O papel da prosódia em enunciados de ordens e pedidos. Vozes dos Vales,
  127. (2007). O papel da prosódia na expressão de atitudes do locutor em questões.
  128. (2009). O papel da taxa de elocução nos processos dinâmicos de mudança linguística, 09/2009, Revista (con) textos linguísticos(UFES),
  129. (2001). O papel da tessitura dentro da prosódia portuguesa. In:
  130. (2000). O troqueu silábico no sistema fonológico.
  131. (2000). On the place of phrase accents in intonational phonology,
  132. (1985). On the relation between pitch excursion size and proeminence.
  133. (1988). On the separation of prosodic and rhythmic phonology. In: INKELAS, S.; ZEC, D. The phonology-syntax conncection. Chicago:
  134. (2009). Ordem ou pedido? Como os brasileiros interpretam atos de fala produzidos por aprendizes de PLE. Dissertação (Mestrado em Letras Vernáculas). Universidade Federal do Rio de Janeiro, Faculdade de Letras.
  135. (2008). Organização temporal na locução do telejornalista.
  136. (2001). Os constituintes prosódicos. In:
  137. (2013). Padrões entoacionais de interrogativas totais e parciais no falar paranaense.
  138. (2007). Padrões entonacionais em interrogativas globais na ilha de São Miguel. I Jornadas Científicas Amper-POR. Aveiro: Actas,
  139. (1993). Percepção da fala: análise acústica do Português Brasileiro. São Paulo: Lovise,
  140. (2007). Phonétisme et prononciation du français.Paris: Armand Colin,
  141. (1994). Principles of phonetics. Cambridge:
  142. (2000). Prosodic Features and Prosodic Structure. In: The Phonology of Suprasegmentals.
  143. (2009). Protocolo para el análisis melódico del habla.
  144. (2012). Radialista: análise acústica da variação entoacional na fala profissional e na fala coloquial.
  145. (2007). Reestruturações rítmicas da fala no português brasileiro.
  146. (2007). Relação entre acento e entoação numa variedade do PB: análise de caso de um falante do Rio de Janeiro. In:
  147. (2012). Revista de Estudos da Linguagem.
  148. (2011). Revista Internacional de Linguística Iberoamericana,
  149. (1992). Ritmo e velocidade de fala na estratégia do discurso: uma proposta de trabalho. In: ILARI, R. (org.) Gramática do Português Falado,
  150. (2007). Ritmo silábico/ritmo acentual: divergências quanto à definição de ritmo do português do Brasil. Estudos Linguísticos,
  151. (2014). Sentence type and prenuclear contours in Brazilian Portuguese: production and perception. In:
  152. (2009). Sistema DaTo de notação entonacional do português brasileiro: teoria e funcionamento.
  153. (1992). Sobre o lugar do acento de palavra em uma teoria fonológica. Cadernos de Estudos Linguísticos,
  154. (2010). Speech rate and rhythmic variation in Brazilian Portuguese. In:
  155. (2006). Statistics without Maths for Psychology.(5th edition).
  156. (1983). Stress-timing and syllable-timing reanalyzed.
  157. (2004). Structures sémantiques et pragmatiques pour la modélisation de la cohérence dans des dialogues finalisés. Tese (Doutorado em Informática – Inteligência artificial). Université Paul Sabatier,
  158. (2000). Syllable-timing in Brazilian Portuguese.
  159. (2002). Teoría y análisis de la entonación. Barcelona: Edicions de la Universitat de
  160. (1997). Tese (Doutorado em Linguística) - Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro,
  161. (2002). Tese (Doutoradoem Linguística). – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas,
  162. (1981). Tese (Livre Docência em Linguística)-Universidade Estadual de Campinas,
  163. (1993). The HCRC Map Task Corpus: Natural Dialogue for Speech Recognition. In: ARPA/ISTO. Human Language Technology:
  164. (2012). The intonation of polar questions in Italian: Where is he rise?
  165. (2014). The Intonational Phonology of Catalan.
  166. (1980). The phonology and phonetics of English intonation.
  167. (2004). The phonology of tone and intonation. Nova Iorque:
  168. The Pitch Accents in brazilian portuguese: analysis by synthesis. In:
  169. (2004). The Prosogram: semi-automatic transcription of prosody based atonal perception Model.
  170. (2005). The sense of hearing. New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates,
  171. (1999). The symbolic coding of segmental duration and tonal alignment. An extension to the INTSINT system. In:
  172. (2011). Tipologia rítmica de dialetos do português brasileiro. 3.
  173. (2001). To “Errrr” is Humam: Ecology and Acoustics of Speech Disfluencies.
  174. (2009). Transcription des courbes melodiques. In: Intonation du français. Paris: Armand Colin,
  175. (2009). Transferências Prosódicas do PB/LM na aprendizagem do E/LE: enunciados assertivos e interrogativos totais.
  176. (2012). Um olhar sobre o não e o de novo: quando o foco prosódico desambiguiza a ambiguidade semântica. In:
  177. (2010). Uma contribuição da prosódia na desambiguação de sentenças semanticamente ambíguas.
  178. (2010). Uma proposta de descrição prosódica dos atos de fala ordem e pedido voltada para o ensino de português como língua estrangeira (PLE). Revista Virtual de Estudos da Linguagem,
  179. (2002). Un Projet d’Atlas Multimédia Prosodique de l’Espace Roman.
  180. (2007). Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte-MG,
  181. (2011). Universidade Federal de Santa Catarina,
  182. (2001). Variação e (é) identidade.
  183. (2013). Variação prosódica das sentenças interrogativas totais no falar catarinense: um estudo experimental. Revista Leitura (UFAL), Universidade Federal de Alagoas: Alagoas,
  184. (2007). Variação Prosódica no Baixo Minho: Estudo de Caso: Lurdes de Castro Moutinho & Rosa Lídia Coimbra (Coord.) I Jornadas Científicas Amper-POR. Actas,
  185. (2007). Variedades prosódicas do Português Brasileiro: o alinhamento sul/sudeste/nordeste.
  186. (2007). Você está pedindo ou perguntando? Uma análise entonacional de pedidos e perguntas no português do Brasil. Revista de Estudos da Linguagem,
  187. (2001). Voz: o livro do especialista.
  188. (2011). Working Papers Linguística,

To submit an update or takedown request for this paper, please submit an Update/Correction/Removal Request.