10.25247/P1982-999X.2010.v1n2.p9-26

Metafísica do amor sexual, segundo Arthur Schopenhauer [Metaphysics concerning the sexual love, according to Arthur Schopenhauer]

Abstract

Afirmação da vontade de vida na composição das futuras gerações, eis a que sedestina o amor enquanto paixão na metafísica de Arthur Schopenhauer. Para ele,apenas no impulso sexual, encontra-se enraizado todo enamorar-se, cujo fim é ode perpetuar a vida. No interesse da espécie, isto é, de uma objetidade ou exposiçãovolitiva, é que atuam as pessoas em todo estar-enamorado. Fazendo ohomem ser orientado por uma intenção inconsciente, qual seja a possibilidadede procriação, a vontade “labuta” para a existência de uma das formas de vidavalendo-se do mecanismo da sexualidade. O amor apaixonado se fundamentasobre uma ilusão, a qual o filósofo chama de “instinto”, fazendo com que oindivíduo pense estar agindo em benefício próprio, quando, na verdade, não é omais privilegiado nesse enredo. Nesse contexto, o filósofo apresenta pontos anortearem a satisfação entre os sexos, pontos que dizem respeito ao interesse daespécie: a beleza, qualidades psíquicas e as provenientes da exigência de correçãoou de neutralização recíproca das unilateralidades e das anomalias de ambosos indivíduos. Schopenhauer afirma ser importante o tema do amor emfunção de esse dizer respeito à existência e à constituição do gênero humano e,através de intercursos metafísico e fisiológico, tenta explicar o sofrimento, aposse, o prazer físico, enfim o que faz parte de toda essa trama que ele denominade amor-paixão. Objetivamos trazer à luz o ponto de vista schopenhauerianopara o tema da sexualidade, destacando o filósofo como um dos poucos pensadoresa se dedicar ao tema. Para a produção do trabalho, utilizaremos a pesquis

Similar works

This paper was published in Portal de Periódicos da UNICAP.

Having an issue?

Is data on this page outdated, violates copyrights or anything else? Report the problem now and we will take corresponding actions after reviewing your request.