Skip to main content
Article thumbnail
Location of Repository

Hexachlorophene as a topically applied chemical for prophylaxis against Schistosoma mansoni infections in mice Hexaclorofeno como substância de aplicação tópica na profilaxia de infecção por Schistosoma mansoni em camundongo

By Marie M. Grenan, Lyfford K. Greene, David E. Davidson Jr., Douglas H. Jones, Tommy R. Shedd and Gregory Hiestand

Abstract

Treatment of mouse tail skins with hexachlorophene (1.25% w/v) in absolute methanol or 70% isopropanol suppressed Schistosoma mansoni infections by more than 95% even when the application was performed up to three days prior to exposure to cercarial suspensions by tail immersion. Treatment with concentrations of 0.313% or higher one day prior to exposure provided at least 98% protection when the treated surface was not subjected to water washes of greater duration than 1/2 hour. Tail immersion application of 1.25% hexachlorophene one day prior to exposure still provided 87-92% protection after 3 hours water wash. Wipe application of 1.25% hexachlorophene three days prior to exposure still provided 93% protection following 3 hours water wash. High cercarial recoveries from exposure tubes at the end of exposure periods indicated high antipenetrant activity for hexachlorophene. Sufficient hexachlorophene leached from treated tail skins into the surrounding water to affect subsequently added cercariae so that they were no longer infective to untreated mice.<br>O tratamento da pele da cauda de camundongos com hexaclorofeno (1,25% p/v), dissolvido em metanol absoluto ou isopropanol a 70% reduziu a infecção por Schistosoma mansoni em mais de 95%, mesmo quando a aplicação foi feita até três dias antes da exposição da cauda à suspensão de cercárias. O tratamento com concentrações de 0,313% ou mais, um dia antes da exposição, resultou em proteção de 98%, quando a superfície tratada não foi submetida a lavagem com água por tempo superior a 30 minutos. O tratamento com hexaclorofeno a 1,25% por imersão, um dia antes da exposição, conferiu proteção de 87% a 92%, após três horas de lavagem com água. A aplicação de hexaclorofeno a 1,25% com gaze, três dias antes da exposição, ainda resultou em proteção de 93%, após lavagem semelhante. A recuperação de grandes quantidades de cercárias, ao fim do período de exposição, demonstrou a elevada capacidade do hexaclorofeno para impedir sua penetração. Ao mesmo tempo, quantidade suficiente de hexaclorofeno desprendeu-se da pele da cauda dos camundongos, dissolvendo-se na água circundante e exercendo efeito sobre as cercárias, tornando-as não infectantes para camundongos não submetidos a tratamento prévio com hexaclorofeno

Topics: LCC:Medicine (General), LCC:R5-920, LCC:Medicine, LCC:R, DOAJ:Medicine (General), DOAJ:Health Sciences
Publisher: Instituto de Medicina Tropical
Year: 1985
DOI identifier: 10.1590/S0036-46651985000400006
OAI identifier: oai:doaj.org/article:db1dc27f1d3e41aaa4ac12a392a40e60
Journal:
Download PDF:
Sorry, we are unable to provide the full text but you may find it at the following location(s):
  • http://doaj.org/search?source=... (external link)
  • Suggested articles


    To submit an update or takedown request for this paper, please submit an Update/Correction/Removal Request.