Article thumbnail

A carga de doença por AIDS no Estado de Santa Catarina

By Helena Caetano Gonçalves e Silva

Abstract

Objective: To estimate the burden of disease by Aids in the State of Santa Catarina in the year 2009. Method: It was developed an epidemiological study of ecological design. This work had as its scope the State of Santa Catarina and its nine macroregions of health. The study population was composed of all persons notified in the national system of aggravations and notifications as Aids cases confirmed in 2009 and the cases that were the death obtained in the system of information on mortality, residents in Santa Catarina. The mortality component was estimated by the difference between the age of death and life expectancy. In this study, we used the same parameters as the disease burden study in Brazil, that is, life expectancy at birth of 80 years for men, and 82,5 for women. These values are standardized to allow international comparability. In this work was applied a discount rate of 3%. The component of YLD plus 50% factor, incidents of 0,167 applied, with or without treatment and disease duration of 108 months. Results: 2.034 Aids cases were reported and 689 Aids deaths in Santa Catarina. 15.756 were estimated, which generated 0,50 YLL a rate of 100 thousand inhabitants 257,51 YLL/. In this work was estimated 4554,05 YLD, which generated a rate of 100 thousand inhabitants 74,43 YLD/by Aids. The burden of disease by Aids was estimated at 20.310,65 DALY, which generated a rate of 100 thousand inhabitants 331,94 DALY/64% being male 36% female literacy, with age group distribution and unequally for macroregion. Conclusions: The burden of disease by Aids was estimated at 20.310,65 years of life lost early adjusted by disability. The highest rates were found in males, ages 30 to 44 and 45 to 59, with uneven distribution by health macroregion. The greatest burden of disease was estimated to be in the North with plateau macroregion 768,62 DALY/100 thousand inhabitants, followed by the Northeast with 100 thousand inhabitants 517,00 DALY/; the smaller load was the macroregion “Planalto Serrano”, with 89,41 DALY/100 thousand inhabitants. The burden of disease focuses on the adult age groups, with some variations, mostly in health macroregions males. It is recommended to use the disease as a health indicator, along with other indicators, for the planning of health policies and actions.Objetivo: Estimar a carga de doença por Aids no Estado de Santa Catarina no ano de 2009. Método: Foi desenvolvido um estudo epidemiológico de delineamento ecológico. Teve como abrangência o Estado de Santa Catarina e suas nove macrorregiões de saúde. A população de estudo foi composta dados de todas as pessoas notificadas no Sistema Nacional de Agravos e Notificações como casos de Aids confirmados em 2009 e dos casos que foram a óbito obtidos no Sistema de Informações sobre Mortalidade, residentes em Santa Catarina. O componente de mortalidade foi estimado pela diferença entre a idade do óbito e a esperança de vida. Nesse estudo, foram utilizados os mesmos parâmetros do estudo de Carga de Doença no Brasil, isto é, esperança de vida ao nascer de 80 anos para homens e de 82,5 para mulheres. Estes valores são padronizados para permitir comparabilidade internacional. Foi aplicada uma taxa de desconto de 3%. Ao componente de YLD acrescido fator de 50% nos casos incidentes, aplicado o peso de 0,167, com ou sem tratamento e duração da doença de 108 meses. Resultados: Foram notificados 2.034 casos de Aids e 689 óbitos por Aids em Santa Catarina. Foram estimados 15.756,50 YLL, o que gerou uma taxa de 257,51 YLL/100 mil habitantes. Foram estimados 4554,05 YLD, o que gerou uma taxa de 74,43 YLD/100 mil habitantes por Aids. A Carga de Doença por Aids foi estimada em 20.310,65 DALY, o que gerou uma taxa de 331,94 DALY/100 mil habitantes, sendo 64% no sexo masculino 36% no sexo feminino, com faixas etárias e distribuição desigual por macrorregião. Conclusões: A Carga de Doença por Aids foi estimada em 20.310,65 anos de vida perdidos precocemente ajustados por incapacidade. As maiores taxas foram encontradas no sexo masculino, nas faixas etárias 30 a 44 e 45 a 59, com distribuição desigual por macrorregião de saúde. A maior Carga de Doença foi estimada na macrorregião do Planalto Norte com 768,62 DALY/100 mil habitantes, seguida pelo Nordeste com 517,00 DALY/100 mil habitantes; a macrorregião de menor Carga foi o Planalto Serrano, com 89,41 DALY/100 mil habitantes. A Carga de Doença se concentra nas faixas etárias adultas, com variações em algumas macrorregiões de saúde, majoritariamente no sexo masculino. Recomenda-se a utilização da Carga de Doença como um indicador de saúde, juntamente com outros indicadores, para o planejamento de políticas e ações de saúde

Topics: Medidas em epidemiologia, Síndrome da Imunodeficiência adquirida, Indicadores Básicos de Saúde, Ciências da Saúde
Year: 2012
OAI identifier: oai:riuni.unisul.br:12345/3597
Download PDF:
Sorry, we are unable to provide the full text but you may find it at the following location(s):
  • http://www.riuni.unisul.br/han... (external link)

  • To submit an update or takedown request for this paper, please submit an Update/Correction/Removal Request.

    Suggested articles