Avaliação dos bancos de leite humano do estado do Paraná

Abstract

Resumo: VIECZOREK, A. L. Avaliação dos Bancos de Leite Humano do Paraná. 2010. 160 f. Dissertação [Mestrado em Enfermagem] – Universidade Federal do Paraná, Curitiba. Orientadora: Profª. Drª. Lillian aisy Gonçalves Wolff. Trata-se de pesquisa de avaliação normativa, sob perspectiva da gestão, realizada em oito bancos de leite humano (BLH) do estado do Paraná, em 2009. Teve como objetivos avaliar e comparar a estrutura e processo dos BLH paranaenses com base na RDC-171/2006 e o Manual de Funcionamento de BLH da ANVISA; e analisar e comparar a produção dos bancos de leite humano aranaenses no ano de 2008, com base nos dados da RedeBLH. Foram avaliados comparativamente os oito BLH, utilizando-se como método de procedimento o benchmarking, nas suas etapas de planejamento e análise. Foi aplicado um questionário, respondido por coordenadores de cada BLH, e pelo pesquisador em visita ao local, abordando aspectos da estrutura: aspectos legais, de organização e controle, recursos humanos, físicos e materiais; e de processos avaliados: registros de doadoras, ordenha, transporte, armazenamento e pré-estocagem, seleção de leite humano, processamento, estocagem, manutenção de quipamentos, controles, assistência à saúde do trabalhador, controle microbiológico do leite humano pasteurizado, e controle de infecção hospitalar. A produção foi analisada comparativamente em relação ao número de doadoras e receptores; visitas domiciliares; atendimentos individuais e em grupo; volume do leite humano coletado e distribuído; e, número de exames realizados. O percentual de conformidades nos BLH variou de 72,63% e 85,79% e o percentual de não conformidades variou de 14,21% e 27,37% com relação aos aspectos de estrutura e processos. Entre as não conformidades, constatou-se que todas as instituições estão com a licença sanitária atrasada; algumas não realizam convênios ou contratos entre instituições fornecedoras de leite humano ordenhado cru e receptoras de leite humano pasteurizado; não dispõem de cópia do Plano de Gerenciamento de Resíduos aprovado pela Vigilância Sanitária; não tem 100% de funcionários capacitados no curso de Processamento e Controle da Qualidade em BLH; não têm um médico para realizar a seleção de doadoras; não exigem dos fornecedores os certificados de análise de insumos e reagentes. As melhores práticas encontram-se em diferentes BLH. Destaca-se o BLH 5, com maior número de profissionais de enfermagem, farmacêutico bioquímico exclusivo e profissional graduado em administração. Os BLH 3 e 6 possuem nutricionista exclusivo. O BLH 1 possui sistema informatizado para registros de dados. O BLH 4 participa do Programa de Controle de Qualidade da RedeBLH, e; os BLH 6 e 7 realizam auditorias internas ou externas de controle de qualidade. O BLH 3 realiza semanalmente visitas a doadoras com dificuldades ou no início da doação. O BLH 2 obteve em 2008 o maior volume de leite por doadora. O BLH 1 apresenta o maior percentual de atendimentos em grupo. O BLH 5 destaca-se pelos mais altos percentuais de atendimento individual e visitas domiciliares. Os BLH 5 e BLH 6 são os maiores captadores de leite humano. Os resultados da avaliação poderão ser utilizados pela Comissão stadual de BLH do Paraná para o desenvolvimento das demais etapas de benchmarking

Similar works

Full text

thumbnail-image

Universidade Federal do Paraná

Provided a free PDF
oai:dspace.c3sl.ufpr.br:1884/23393Last time updated on 5/15/2019View original full text link

This paper was published in Universidade Federal do Paraná.

Having an issue?

Is data on this page outdated, violates copyrights or anything else? Report the problem now and we will take corresponding actions after reviewing your request.