O dualismo de explicação de Richard Swinburne frente às teorias da explicação científica

Abstract

Monografia ( graduação)—Universidade de Brasília, Departamento de Filosofia, 2011.O presente trabalho é uma sequência de Dissertação Filosófica 1 e buscará examinar o conceito de explicação, considerando a bifurcação realizada por Richard Swinburne em sua obra The Existence of God entre explicação científica e explicação pessoal e relacionando a teoria deste autor a outras teorias da explicação, apresentadas na obra organizada por David-Hillel Ruben, Explanation. 1 Trabalho apresentado ao Departamento de Filosofia da Universidade de Brasília em 2010, o qual possibilitou-nos comparar os modelos de Davidson e de Hempel e definir o objeto desta monografia. Para a definição de nosso problema elegemos duas questões prementes, as quais nasceram em virtude dos problemas levantados em Dissertação Filosófica 1. Primeiramente, questionamos se o entendimento de Richard Swinburne a respeito da descrição de Donald Davidson sobre explicações das ações humanas é ou não apropriado. A segunda questão relaciona-se às objeções que a teoria da explicação de Hempel sofre e suas consequências na teoria da explicação de R. Swinburne. Mostraremos que a ideia de explicação científica de Swinburne, apesar das ressalvas que ele faz, tem como ponto de partida a teoria da explicação científica de Hempel. Assim, questionamos se problemas afetos à descrição hempeliana poderão comprometer a descrição swinburniana. Para dar cabo a esta tarefa, o artigo de Rolf Eberle, David Kaplan & Richard Montague (1961) e a apresentação de teorias da explicação científica alternativas nos ajudarão a esclarecer se de fato as críticas dirigidas à descrição de Hempel podem ser estendidas à de Swinburne. Em meio a isso, uma questão que emerge é sobre como se falar seja de explicação científica seja de explicação pessoal em vista de desenvolvimentos filosóficos alternativos acerca da explicação? O presente estudo foi dividido em duas partes. A primeira tratará da exposição da teoria da explicação de Richard Swinburne, que distingue entre explicação científica e explicação pessoal. Também nesse primeiro capítulo, abordaremos a crítica dirigida a D. Davidson quanto a um possível reducionismo de intenções e desejos humanos a suas dimensões físicas, e apresentaremos uma leitura de Davidson distinta da realizada por Swinburne. Para o segundo capítulo, iniciamos com a exposição da descrição de explicação científica de Hempel-Oppenheim e, por conseguinte, a algumas objeções ao modelo hempeliano de explicação. Dessas, destacamos as críticas do artigo de Eberle, Kaplan e Montague; o problema da ambiguidade e algumas teorias alternativas que levam em conta os aspectos contrastivos e contextuais como as descrições de P. Lipton e Van Fraassen, respectivamente. Depois de percorrer esse caminho, estaremos em posição de sustentar a hipótese de uma referência desnecessária que Swinburne faz a Hempel, quando da defesa de seu dualismo de explicação

Similar works

This paper was published in Biblioteca Digital de Monografias.

Having an issue?

Is data on this page outdated, violates copyrights or anything else? Report the problem now and we will take corresponding actions after reviewing your request.