Article thumbnail

A polissemia do sujeito cartesiano

By Benes Alencar Sales

Abstract

O termo sujeito na filosofia aristotélico-tomista era empregado no sentido de fundamento, substrato, referindo-se a qualquer substância. Com a Idade Moderna surge Descartes que desencadeará uma verdadeira revoluçáo na concepçáo filosófica de sujeito: o homem passa a ser o fundamento primeiro de toda a realidade, sujeito único, inaugurando-se a filosofia da subjetividade. O sujeito cartesiano primeiro é o ego do cogito (penso), em que o homem é concebido apenas como espírito, substância pensante. Entretanto, o caminhar meditativo de Descartes aponta para novos desdobramentos de sua concepçáo de homem e conseqüentemente do sujeito, permitindo-nos falar de uma subjetividade corporal. Por outro lado, a realidade das paixões nos leva também a considerar a existência de um sujeito resultante da uniáo alma-corpo

Topics: Epistemology. Theory of knowledge, BD143-237, Metaphysics, BD95-131, Philosophy (General), B1-5802
Publisher: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Year: 2010
OAI identifier: oai:doaj.org/article:a9b420ad80ed48a08bc5a984e91c1bce
Journal:
Download PDF:
Sorry, we are unable to provide the full text but you may find it at the following location(s):
  • https://doaj.org/toc/1983-2109 (external link)
  • https://doaj.org/toc/0104-8694 (external link)
  • https://periodicos.ufrn.br/pri... (external link)
  • https://doaj.org/article/a9b42... (external link)
  • Suggested articles


    To submit an update or takedown request for this paper, please submit an Update/Correction/Removal Request.